PUBLICIDADE
Topo

Sobre as Águas

Brasileiros dominam regatas do Norte-Americano de Star e levam medalhas

Antonio Alonso

18/06/2022 14h41

O Brasil subiu no lugar mais alto do pódio do Norte-Americano de Star, tradicional competição da modalidade, disputada no Annapolis Yacht Club, em Maryland, nos Estados Unidos. Com o adiamento das regatas deste sábado (18), a dupla Jack Jennings (EUA) e Pedro Trouche ficou com a medalha de ouro após cinco provas disputadas e apenas nove pontos perdidos.

Em segundo ficou cubano naturalizado norte-americano Augie Diaz ao lado do medalhista olímpico Bruno Prada, com 16 pontos perdidos. O bronze ficou com a tripulação local formada por George Szabo e Guy Avellon, com 17.

O Norte-Americano de Star foi marcado por ventos acima da média em Maryland, o que resultou na não realização das regatas de abertura, na quarta-feira (15) e agora nas finais do sábado. A comissão só conseguiu promover cinco e os campeões Jack Jennings e Pedro Trouche ficaram entre os três primeiros em quatro delas. Com a entrada do descarte e o cancelamento da última prova, a dupla levou a conquista pela primeira vez.

"Muito feliz em ganhar o Norte-Americano e principalmente com a parceria do Jack Jennings. Agora é só comemorar o resultado, minhas duas estrelinhas de prata", disse Pedro 'Bolder' Trouche.

A dupla Jack Jennings e Pedro Trouche chegou mais cedo aos Estados Unidos para treinar na raia de Annapolis. A semana foi pesada de treinos e competições, mas valeu a pena ao final. "Fizemos um bom trabalho, principalmente uma preparação bastante dura. O Pedro fez um grande trabalho, era o que eu esperava", contou Jack Jennings.

A fase de Pedro Trouche em 2022 é a melhor de sua carreira. Em abril, o velejador de Niterói (RJ) ganhou o Brasileiro de Finn em São Paulo (SP). No mês passado, também na capital paulista, fez a proa de Juninho de Jesus na conquista do Campeonato Paulista de Star. A agenda do atleta é cheia com participações em várias regatas de oceano no hemisfério norte.

O Campeonato Norte-Americano de Star contou com 33 barcos e quatro velejadores do Brasil. Além de Pedro Trouche e Bruno Prada, o Norte-Americano de Star teve a presença do campeão mundial Samuel Gonçalves ao lado Shane Zwingelberg (EUA) na nona posição. O argentino radicado no Brasil Manolo Bunge e o local Ken Woods ficaram em 22º.

Brasileiros como Joerg Bruder, em 1971, e Gastão Brun, em 1990, já ganharam o evento como timoneiros. O último a vencer antes de Pedro Trouche foi Henry Boening, na proa de Augie Diaz, em 2019.

O evento foi preparatório para o 100º Mundial de Star, que será realizado em setembro, em Marblehead, nos EUA.

Foto: Will Keyworth

Sobre o Autor

Antonio Alonso Jr é capitão amador e cobre esporte há 15 anos, com passagens pela Folha de S.Paulo e por um UOL ainda em seus primeiros anos de vida. Jornalista e formado também em Esporte teve a excêntrica ideia de se dedicar à cobertura náutica, com enfoque para a Vela. Depois de oito anos na principal revista especializada do país, estreia seu blog em novo endereço no UOL.

Sobre o Blog

A vela é o exemplo claro de que o sucesso de um esporte não se mede em medalhas. Ela foi o esporte que mais medalhas Olímpicas deu ao Brasil. Ainda assim, é um esporte desconhecido, com enorme dificuldade de atrair público e restrito a guetos idílicos. Este blog não está interessado em resolver esse problema, mas em trazer mais para perto esse esporte excêntrico, complicado talvez, mas cheio de matizes empolgantes e que coloca atletas e meio-ambiente numa simbiose singular no mundo esportivo. Bem-vindo a bordo.

Blog Sobre as Águas