Sobre as Águas http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br Informação e opinião sobre vela, náutica, navegação e mar em geral. Mon, 16 Oct 2017 16:58:41 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Yacht Club Paulista é campeão brasileiro de Flash 165 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/yacht-club-paulista-e-campeao-brasileiro-de-flash-165/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/yacht-club-paulista-e-campeao-brasileiro-de-flash-165/#respond Mon, 16 Oct 2017 16:58:41 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2870

Dupla do YCP, Paulo Baz e João Toledo, conduz o Cielo e Mare rumo ao título na Guarapiranga (Ricardo Amatucci / Almanáutica)

Os velejadores Paulo Baz e João Toledo, representantes do Yacht Club Paulista, conquistaram neste domingo (15/10) o Campeonato Brasileiro da Classe Flash 165, organizado pelo Yacht Club Santo Amaro. Com o barco Cielo e Mare, a dupla do YCP fez uma campanha de recuperação para chegar ao título, vencendo as três últimas regatas na Represa Guarapiranga.

Os campeões obtiveram a expressiva marca de quatro vitórias em oito regatas e terminaram a competição com 14 pontos perdidos, mesma pontuação dos vice-campeões, porém, com duas vitórias a mais do que Sebastião Alves e Paulo Patti, do YCSA/Pera Náutica, com o barco Zinhos. Agustin Basso e Lami Buccolo, também do YCSA, completaram o pódio com a embarcação Imagine.

No domingo decisivo, o vento sul que trouxe a frente fria entrou na represa com rajadas de 15 nós, quase 30 km/h, o que ajudou a impulsionar o Cielo e Mare rumo ao título entre os oito barcos. “O vento forte nos favoreceu. Até sábado estávamos em segundo lugar e só a vitória nos daria o título. Velejamos de forma consistente e vencemos”, afirmou o timoneiro Paulo Baz.

O Cielo e Mare vinha de dois vice-campeonatos: Brasileiro em 2016 e Paulista em 2017. O título veio após a parceria firmada entre YCP e Flash Club, dirigido por Paulo Fax. “Estamos aproveitando a completa estrutura do YCP, onde passamos a deixar o barco. Fomos muito bem recebidos por marinheiros, velejadores e diretoria. O investimento em treino e equipamentos também foi recompensado”, comemorou Paulo Baz.

Sudeste Brasileiro de Laser – A movimentação durante o feriado prolongado foi intensa nas raias da Guarapiranga, que também recebeu o Campeonato Brasileiro Sudeste da Classe Laser, com sede no Yacht Clube Paulista. Os 33 barcos de São Paulo, São Sebastião e Vitória (ES) correram oito regatas em quatro dias, com destaque para Stefano Mazzaferro, (YCSA), campeão na categoria Standard.

Mazzaferro obteve cinco vitórias, contra duas do vice-campeão, o velejador olímpico chileno Felipe Echenique. O bronze ficou com Stephan Kunath, com os três degraus do pódio ocupados pelo YCSA. Na Laser Radial, vitória de Felipe Fonseca (YCSA), seguido por Jayme de Paula Jr. (YCP) e Guilherme Marciani (Ventos & Velas – São Sebastião).

A capixaba Julietty Tesch foi absoluta na Laser 4.7. A tetracampeã brasileira venceu as seis primeiras regatas e descartou as duas últimas. Micael Cruz (Ventos & Velas) e Aleksandros Motta (YCSA) completaram o pódio. “Gosto muito da variação de ventos na represa. O resultado é efeito de um trabalho intenso com nutricionista, preparação física e treinamento funcional. O ano está sendo muito bom”, enfatizou Julietty, que já havia sido terceira colocada no Campeonato Carioca entre mais de 20 barcos.

Campeonato Brasileiro de Flash 165

1 – Cielo e Mare – Paulo Baz/João Toledo (YCP) – 14 pontos perdidos
2 – Zinhos – Sebastião Alves/Paulo Patti (Pera/YCSA) – 14 pp
3 – Imagine – Agustin Basso/Lami Buccolo (YCSA) – 24 pp

Sudeste Brasileiro de Laser

Laser Standard
1 – Stefano Mazzaferro (YCSA) – 7 pontos perdidos
2 – Felipe Echenique (YCSA) – 11 pp
3 – Stephan Kunath (YCSA) – 21 pp

Laser Radial 
1 – Felipe Fonseca (YCSA) – 10 pp
2 – Jayme de Paula (YCP) – 13 pp
3 – Guilherme Marciani (V&V) – 20 pp

Laser 4.7
1 – Juliétty Tesch (Vitória-ES) – 6 pp
2 – Micael Cruz (V&V) – 13 pp
3 – Aleksandros Motta (YCSA) – 13 pp

]]>
0
Robert Scheidt não vai para Tóquio http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/robert-scheidt-nao-vai-para-toquio/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/robert-scheidt-nao-vai-para-toquio/#respond Mon, 16 Oct 2017 09:31:03 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2866 Seria a sétima olimpíada do velejador, que decidiu não seguir campanha olímpica na 49er ao lado de Gabriel Borges.

Robert Scheidt encerra seu ciclo olímpico com cinco medalhas entre as classes Laser e Star: dois ouros (Atlanta 1996 e Atenas 2004), duas pratas (Sydney 2000 e Pequim 2008) e um bronze (Londres 2012).

Por pouco não veio a medalha na Rio 2016.

“Uma decisão como essa de não dar sequência à minha carreira olímpica, é uma decisão das mais difíceis que tive que tomar na minha vida, são 25 anos de esporte de alto rendimento. Espero poder contribuir da melhor forma para a equipe olímpica, torcer por esse legado, para que esse esporte, que já deu tantas medalhas para o Brasil, continue a ter muito sucesso. E acho que vai ter”, afirmou em entrevista ao Esporte Espetacular.

“O volume de treinamento que eu teria que fazer nos próximos dois anos seria muito grande e eu acabei optando por não dar sequência nesse projeto. Para mim sempre foram importantes duas coisas na minha carreira, gostar do que está fazendo e ser competitivo, chegou o momento que eu não estou me sentindo muito competitivo. Um pouco do fator físico pesou, já que pequenas lesões vão minando sua capacidade de volume muito grande de treinamento, que é o que eu precisaria na classe 49er. E um barco mais radical, comecei a velejar com 43 anos, não é fácil você se adaptar a um barco já vindo de 20 anos navegando em barcos diferentes”, declarou.

“Também um pouco do lado pessoal, familiar, dois filhos em casa, quero passar mais tempo com eles. Toda vez que eu saia eles ficavam me perguntando quando eu ia voltar. Então são coisas que pesam”, completou.

 

]]>
0
O outro lado da demissão de holandês na Volvo Ocean Race http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/o-outro-lado-da-demissao-de-holandes-na-volvo-ocean-race/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/16/o-outro-lado-da-demissao-de-holandes-na-volvo-ocean-race/#respond Mon, 16 Oct 2017 09:04:26 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2862
O assunto da demissão de Simeon Tienpont do comando do team AkzoNobel ainda repercute na vela oceânica. Os representantes da equipe holandesa da Volvo Ocean Race rescindiram o contrato do velejador após a Regata Prólogo, disputada na semana passada. Na In-Port Race de Alicante, disputada no sábado (14), o brasileiro Joca Signorini assumiu a função de timoneiro e até certo ponto o comando do barco.
Simeon Tienpont emitiu uma nota rebatendo as palavras do AkzoNobel neste domingo (15). “Eles falam sobre uma interrupção do contrato, o que é absolutamente infundado e é muito prejudicial para a minha reputação, especialmente em função do momento, pouco antes do início da regata. Só posso adivinhar que se trata de um pequeno excesso de orçamento (…) são eles, não eu, quem está em clara violação do contrato”.
“Foi uma grande e desagradável surpresa quando AkzoNobel encerrou o contrato durante a Prólogo no momento em que a equipe estava no mar. Tienpont e sua equipe agora se reagruparão e tentarão desenvolver opções para continuar com esta campanha vencedora”.
Nos bastidores já há nomes para substituir o holandês. Apesar de ter assumido muitas funções  importantes, o brasileiro Joca Signorini não deve ser o escolhido. Jules Salter (GBR) e Brad Jackson (NZL) são soluções internas, mas o AkzoNobel pode convocar Chris Nicholson (AUS), que comandou o Team Vestas Wind na edição passada.
]]>
0
Holandês demitido de barco com brasileiros http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/15/holandes-demitido-de-barco-com-brasileiros/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/15/holandes-demitido-de-barco-com-brasileiros/#respond Sun, 15 Oct 2017 13:31:27 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2859 Agora é oficial.

Simeon Tienpont foi demitido do barco holandês team AkzoNobel.

Já era notória sua saída, pois o brasileiro Joca Signorini foi o responsável por comandar a equipe das regatas treino de Alicante e na própria In-Port Race, vencida pelo MAPFRE.

Por meio de um comunicado enviado na manhã deste domingo, o time holandês alegou que a empresa de gerenciamento de Simeon Tienpont, STEAM, violou seu contrato para gerenciar a entrada da equipe AkzoNobel na  Volvo Ocean 2017-18.

A violação foi tão grave que a AkzoNobel rescindiu o contrato imediatamente.

Agora a AkzoNobel assumiu a gestão total da equipe.

O Simeon recebeu a opção de continuar como comandante, mas optou por não sair fora.

A tensão nos bastidores da VOR e da próprio AkzoNobel é evidente. Semanas atrás o Chunny Bermudez – ex-Brasil 1 – saiu do AkzoNobel.

Leia o comunicado na íntegra aqui

]]>
0
Teve de tudo na estreia da Volvo Ocean Race http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/teve-de-tudo-na-estreia-da-volvo-ocean-race/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/14/teve-de-tudo-na-estreia-da-volvo-ocean-race/#respond Sat, 14 Oct 2017 21:29:06 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2856 A primeira regata costeira foi disputada neste sábado (14), em Alicante.

Vitória da MAPFRE com vantagem de quase dois minutos em uma regata de seis pernas e de quase uma hora.

Eles escolheram sair para a direita surpreendendo os outros seis barcos que foram pra esquerda.

Decisão acertada dos espanhóis, que começaram a todo o vapor (eles ganharam as regatas Prólogo e Leg 0 também)

Os brasileiros ficaram em penúltimo no AkzoNobel

O Joca Signorini teve um papel fundamental na equipe, já que o comandante holandês não apareceu

Isso mesmo, não correu a In-Port

A largada é dia 22 e até lá já saberemos o que rolou!

]]>
0
Abertura do Sudeste Brasileiro de Laser exige paciência e técnica http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/13/abertura-do-sudeste-brasileiro-de-laser-exige-paciencia-e-tecnica/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/13/abertura-do-sudeste-brasileiro-de-laser-exige-paciencia-e-tecnica/#respond Fri, 13 Oct 2017 16:21:45 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2853

Máster Albert Lisbona, 74, na largada da Laser 4.7 (Paola Prada / YCP)

O vento demorou a chegar na Represa Guarapiranga, mas valeu a espera. O sueste entre 8 e 9 nós, cerca de 16 km/h, proporcionou uma regata bastante técnica aos 33 barcos na abertura do Campeonato Sudeste Brasileiro de Laser nesta quinta-feira (12), com sede no Yacht Club Paulista (YCP). Na categoria Standart, vitória de Stefano Mazzaferro, do YCSA. Victor Demarchi, também do YCSA, venceu na Radial, enquanto Julliétty Tesch, de Vitória (ES), foi a primeira na Laser 4.7.

A largada prevista para às 13h foi adiada por mais de duas horas porque o vento estava “zerado” na represa. A paciência dos velejadores foi recompensada. “Valeu a pena esperar. Com vento mais fraco, tivemos uma regata bastante tática. É preciso saber velejar no vento forte e no fraco. Uma regata que salvou o dia. Foi divertido”, afirmou entusiasmado, Albert Lisbona, velejador máster do YCP, após esbanjar vitalidade na raia da categoria 4.7, com a experiência de seus 74 anos.

Por outro lado, a vencedora da 4.7, Juliétty Tesch, tem apenas 16 anos, o que demonstra a ampla acessibilidade da vela. “Estou mais acostumada a velejar no mar, onde o sal deixa o barco ‘mais leve’, mas gosto de correr na represa porque a raia é bem mais técnica e exige atenção total do velejador para cada rajada”, considerou a capixaba tetracampeã brasileira e líder do ranking nacional de Laser 4.7.

Velejadores de São Paulo, São Sebastião e Vitória retornam ao Yacht Club Paulista nesta sexta-feira (13), novamente com previsão de ventos fracos. O campeonato segue até domingo com duas regatas por dia a partir das 13h00, se as condições permitirem. A previsão de ventos mais fortes fica para sábado e domingo, o que deve levar emoção à reta final do campeonato. Após a quinta regata será descartado o pior resultado e depois da sétima, serão dois descartes.

Primeiros colocados após primeira regata

Laser Standart
1 – Stefano Mazzaferro (YCSA)
2 – Stephan Kunath (YCSA)
3 – Caio Sena (BL3)
Laser Radial
1 – Victor Demarchi (YCSA)
2 – Jayme de Paula (YCP)
3 – Felipe Fonseca (YCSA)
Laser 4.7
1 – Juliétty Tesch (Vitória-ES)
2 – Aleksandros Motta (YCSA)
3 – Micael Cruz (São Sebastião-SP)
]]>
0
Curiosidades da Volvo Ocean Race http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/13/curiosidades-da-volvo-ocean-race/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/13/curiosidades-da-volvo-ocean-race/#respond Fri, 13 Oct 2017 09:24:09 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2850 Enquanto a regata não começa, aqui listamos alguns fatos da Volvo Ocean Race

 

Dois membros da tripulação atuarão como médicos de bordo, treinados para limpar as vias aéreas, aplicar molduras e moldes de gesso, realizar a sutura da pele, inserir fluídos intravenosos e  odontologia.

Cerca de 1.000 pessoas trabalham na regata, incluindo organização, equipes, cidades anfitriãs e partes interessadas.

A tripulação segue ciclos de três ou quatro horas, conhecidos como sistemas de turnos – dependendo do número de tripulantes a bordo. Mas isso não significa que a equipe não será interrompida quando estiver fora do serviço – qualquer mudança ou manobra de vela importante pode exigir toda a tripulação no convés.

Os velejadores queimam de 5.000 a 6.000 calorias por dia. Mesmo assim, os atletas relataram perder até 11kg em apenas uma perna da regata. A dieta consiste principalmente em refeições liofilizadas, altamente caloricas, mais lanches regulares e aumento de vitaminas.

A máquina que fabrica água a bordo pode produzir 50 litros de água potável por dia – se quebrar, pode ser um problema sério se a equipe não puder repará-lo. Somente a chuva dá o luxo de tomar um banho.

A altura máxima de onda registrada na regata foi na edição 2011-12 com 16,3 metros, registrada pelo CAMPER durante a primeira etapa para a Cidade do Cabo.

A velocidade máxima do vento registrada na #volvooceanrace foi de 70 nós (força do furacão) no Oceano Austral em 2011-12.

]]>
0
MAPFRE domina eventos-teste da Volvo Ocean Race http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/12/mapfre-domina-eventos-teste-da-volvo-ocean-race/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/12/mapfre-domina-eventos-teste-da-volvo-ocean-race/#respond Thu, 12 Oct 2017 14:01:26 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2847 Não tá valendo pontos ainda, mas os espanhóis do MAPFRE mostram que a preparação para a edição 2017-18 da Volvo Ocean Race foi melhor do que encomenda.

Depois de vencer a chamada Leg 0 – conjunto de quatro regatas-teste pelos mares da Inglaterra, França, Espanha e Portugal, o time do campeão olímpico Xabi Fernández acaba de faturar a Regata Prólogo.

A prova foi disputada de Lisboa até Alicante, mas a organização resolver encurtar a regata no Cabo de Gata. “Foi realmente um bom treino. A regata foi muito equilibrada e estou satisfeito com o desempenho da tripulação”, disse o comandante espanhol.

Vale lembrar que na edição 2011-12, a turma do MAPFRE – que era chamada de Telefónica – abriu uma vantagem imensa após as primeiras etapas, mas no final viu o título ruir após a avançada do Groupama 4, de Franck Cammas.

A ver!

]]>
0
Guarapiranga recebe Sudeste Brasileiro de Laser http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/10/guarapiranga-recebe-sudeste-brasileiro-de-laser/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/10/guarapiranga-recebe-sudeste-brasileiro-de-laser/#respond Tue, 10 Oct 2017 17:49:14 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2844

Regata da classe Laser na Represa Guarapiranga (Douglas Moreira / Fisheye Images)

Os velejadores da classe Laser vão aproveitar o fim de semana prolongado pelo feriado de Nossa Senhora Aparecida para disputar o Campeonato Sudeste Brasileiro de 12 a 15 de outubro na Represa Guarapiranga. Organizada pelo Yacht Club Paulista (YCP), a competição deve reunir mais de 30 velejadores de São Paulo, Santos e Ilhabela, incluindo-se a maioria dos clubes do em torno da represa.

O programa prevê oito regatas, com duas largadas por dia a partir das 13h00. Em abril, o YCP recebeu o inédito Sudeste Brasileiro de Snipe com a participação de 35 tripulações. Desde que lançou a Copa YCP, atual Copa Paulista, no início de 2015, o clube vem resgatando a cultura náutica paulistana na Guarapiranga, com dezenas de embarcações na raia, principalmente das classes Laser e Snipe, a cada regata.

O diretor de Vela do YCP, Alonso Lopez, destaca a importância do evento para o clube. “É uma honra sediar um campeonato regional de uma classe tão importante para o Brasil como a Laser, consagrada no País pelas medalhas olímpicas de Robert Scheidt, orgulho para nós. Receberemos grandes velejadores e teremos um campeonato de altíssimo nível técnico”, prevê Lopez, também velejador de Snipe.

Experiência na raia – Além dos atletas da nova geração, a Guarapiranga contará com o talento dos mais experientes velejadores, responsáveis pela evolução da vela no País, como Manfred Kaufmann, representante brasileiro da classe Laser no World Master Games da Nova Zelândia, em abril. “O YCP está se aprimorando em organizar grandes eventos e a classe Laser está precisando de um incentivo como este”, afirma Kaufmann, o Fips.

Acostumado a competir também na classe HPE 25 em Ilhabela, Fips idealizou recentemente o grupo Vela Master Brasil, dedicado aos interesses dos velejadores veteranos, e já observa a receptividade dos colegas. “Um campeonato regional é sempre muito importante para a classe. A categoria máster terá com certeza um número expressivo de inscrições. Só precisamos ser mais racionais com o calendário nacional”, recomenda Fips. Neste mesmo fim de semana, por exemplo, será realizada ainda a Semana Internacional de Vela do Rio de Janeiro.

Fips vê com otimismo o atual momento da vela paulistana, buscando resgatar as flotilhas formadas por dezenas de embarcações, como nos anos 1970 e 80 na Guarapiranga. “O YCP está dando continuidade ao trabalho sério iniciado pelo ex-diretor de Vela, Beto Hackerott, e agora temos a perspectiva de que a Fevesp (Federação de Vela do Estado de São Paulo) com a nova diretoria, também comece a se mobilizar em favor do esporte e dos velejadores”, deseja o experiente Kaufmann.

]]>
0
Camiranga domina a Refeno 2017 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/03/camiranga-domina-a-refeno-2017/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2017/10/03/camiranga-domina-a-refeno-2017/#respond Tue, 03 Oct 2017 03:00:56 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=2840 O veleiro Camiranga foi o fita azul da Regata Internacional Recife – Fernando de Noronha,a Refeno, pelo quarto ano. A embarcação gaúcha liderada por Samuel Albrecht foi a primeira a cruzar a linha de chegada na praia do Boldró na manhã deste domingo (1º/10), completando o percurso de 292 milhas (cerca de 545 quilômetros), em 19h03min18. Na briga pelo título na classe ORC, o Camiranga liderou de ponta a ponta, velejando com ventos que variaram entre 15 e 20 nós, e superou o seu próprio tempo feito no ano passado, de 19h56min40s. O recorde da regata segue nas maos do baiano Adrenalina Pura, com 14h34min54 marcado em 2007.
foto: Cabanga Iate Clube | Tsuey Lan
A 29ª edição da Refeno reuniu 48 barcos de 11 Estados brasileiros e mais dois países, divididos nas classes Catamarã, Mocra (multicasco), RGS A, RGS B, ORC, Aberta, Bico-de-Proa, Aço e Turismo (monocasco). Os competidores largaram do Marco Zero de Recife no sábado (30/9), ao meio dia, e 39 deles já estão no Porto de Santo Antônio. O segundo a chegar, depois do Camiranga, foi o pernambucano Patoruzú, da classe Mocra. O trimarã comandado por Higinio Luis Marinsalta fechou o percurso com 25h45min05s. Os últimos barcos deverão chegar a Noronha até esta terça-feira (3).
Considerada uma das maiores regatas de vela oceânica do Brasil, a Refeno reuniu nomes de peso neste ano. Além do velejador olímpico Samuel Albrecht, vencedor com o Camiranga, Lars Grael, bronze nas Olimpíadas de Seul/1988 e Atlanta/1996 na classe Tornado, fez sua quarta participação na disputa, a bordo do Morereh, um Jenneau 57 de 17 metros. Uma das novidades de 2017 foi a 1ª edição da Refenair. Dois aviões de pequeno porte, um de Minas Gerais e outro do Rio de Janeiro, fizeram o percurso da prova, registrando imagens da largada, do percurso e da chegada dos barcos.
]]>
0