Sobre as Águas http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br Informação e opinião sobre vela, náutica, navegação e mar em geral. Mon, 15 Oct 2018 22:05:21 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Brasileiros são campeões mundiais na vela http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/15/brasileiros-sao-campeoes-mundiais-na-vela/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/15/brasileiros-sao-campeoes-mundiais-na-vela/#respond Mon, 15 Oct 2018 22:02:47 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3969 Jorge Zarif e Guilherme Almeida vencem mundial de Star nos Estados Unidos

A história da classe Star no Brasil tem mais um campeão mundial.

Neste fim de semana, a dupla Jorge Zarif e Guilherme Almeida se tornou a melhor do mundo na categoria

Os brasileiros fizeram um campeonato consistente em Chesapeake, nos EUA, e saíram com o ouro.

Jorge Zarif repete o feito que teve anos atrás e agora tem no currículo os mundiais de Star e Finn.

“Muito importante, uma realização pessoal enorme. Só quatro pessoas ganharam mundial de finn e star na história, então fico bem feliz de estar nesse grupo”, disse Jorge Zarif.

Jorginho, como é chamado no meio da vela, é o mais jovem campeão mundial de finn e segundo de star.

“O Guilherme aprendeu a velejar com meu pai de star quando tinha 14 anos, então é legal demais poder ganhar este campeonato com ele”, completou Zarif.

O brasileiro Arthur Lopes, na proa da lenda Paul Cayard, conquistou o terceiro lugar do pódio.

Bruno Prada, campeão olímpico ao lado de Robert Scheidt, ficou com a 13ª colocação entre os 60 barcos participantes velejando ao lado de Augie Diaz, velejador norte-americano.

Jorge Zarif entra na galeria dos timoneiros brasileiros campeões mundiais de Star ao lado de Torben e Lars Grael, Robert Scheidt e Alan Adler.

(Foto: Manolo Bunge)

]]>
0
Aviso de regata da Volta ao Mundo http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/04/aviso-de-regata-da-volta-ao-mundo/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/04/aviso-de-regata-da-volta-ao-mundo/#respond Thu, 04 Oct 2018 14:38:00 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3962 A próxima edição da regata de Volta ao Mundo, prevista para começar em 2021, terá duas classes barcos segundo o primeiro aviso de regata divulgado pela organização.

Usado na temporada 2017-18, o veleiro Volvo Ocean 65 segue no start list da competição de vela oceânica.

 A novidade é a entrada do IMOCA 60, usado em provas como Vendee Globe e Transat Jacques Vabre. James Blake
A partir de 11 de dezembro de 2018, as equipes, sindicatos e velejadores podem anunciar suas campanhas.
A regra provisória diz que as equipes usando os barcos IMOCA 60 competirão pelo título geral da regata, enquanto as tripulações que comandam o VO65 participam do Youth Challenge Trophy. A maioria dos 10 velejadores no barco precisará ter menos de 30 anos de idade, com um mínimo de três atletas com menos de 26 anos.
“Essas regras vão garantir oportunidades para os melhores atletas de vela participarem do nosso evento”, disse Richard Brisius, CEO da volta ao mundo. ”Ao mesmo tempo, estamos abrindo uma porta mais ampla para os velejadores competirem em um dos eventos mais importantes do nosso esporte mais cedo, através do troféu da juventude”.
“Historicamente, as inovações de design e desempenho têm sido um componente importante do sucesso nesta regata desde 1973”, disse o co-presidente Johan Salén.
“A classe IMOCA 60 está na vanguarda da tecnologia para monocascos offshore e os velejadores e designers estarão buscando todas as vantagens técnicas que encontrarem.” Nas próximas semanas e meses, mais informações serão divulgadas, incluindo detalhes sobre a rota, a regra da classe IMOCA e novas iniciativas de sustentabilidade que se baseiam no programa premiado.

]]>
0
Refeno teve 61 barcos http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/03/refeno-teve-61-barcos/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/03/refeno-teve-61-barcos/#respond Wed, 03 Oct 2018 23:46:42 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3965 O favoritismo do Patoruzú foi confirmado e a embarcação conquistou o troféu Fita Azul da 30ª Regata Recife-Fernando de Noronha.

Vencendo de ponta a ponta, o barco quebrou a hegemonia do Camiranga e devolveu o título para Pernambucano após cinco anos.

O último havia sido o Ave Rara, em 2013.

Comandado por Higinio Luís Marinsalta, o Patoruzú venceu a Refeno pela primeira vez ao concluir o percurso de 292 milhas náuticas (545 quilômetros) às 14h58 com o tempo de 25h58min12s.

“A regata foi bastante difícil para nós. As primeiras 150 milhas avançamos bem rápido, tivemos vento de mais de 15 nós de velocidade. Porém, entre as 16h e 17h do sábado, quebramos uma adriça e às 21h quebramos o tirante do bombordo. Foi um momento muito tenso, tivemos que parar o barco, chegamos até a pensar em voltar, mas conseguimos fazer a amarração de forma, até certo ponto, segura e viemos poupando o barco desde então. Apenas no fim da manhã soubemos pelo rádio que estávamos perto do título. E estamos muito felizes”, afirmou o capitão do Patoruzú, Higinio Marinsalta.

61 barcos correram a tradicional regata brasileira.

A Família Schurmann, a bordo do veleiro Kat, chegou a Fernando de Noronha no início da noite deste domingo (30) e ficou com o vice-campeonato da 30ª Refeno. Eles completaram o percurso de 292 milhas náuticas, ou 545 quilômetros, às 18h25 depois de 30h25min22s de regata.

Estou muito feliz. Fizemos uma regata muito bacana. Saímos com o vento fraco e esse barco, com 90 toneladas, precisa de mais vento. O vento veio e fizemos uma tática de subir mais, orçar e aliviar. Tivemos uma média de 10 nós. Foi excelente e a embarcação se saiu bem. A tripulação também foi muito bacana. Todos com muita vontade, regulando as velas. Foi maravilhoso. Fico muito feliz em ser o primeiro barco de Monocasco a chegar em Noronha”, ressaltou o capitão Vilfredo Schurmann.

RGS

o Team Angola Cables chegou em primeiro lugar na classe RGS na 30ª edição da Refeno

Com uma tripulação formada por oito velejadores, barcofez a prova em 31 horas e meia de regata

Foi o terceiro barco a cruzar a linha de chegada em Noronha.

Balanço

Neste ano, 61 embarcações se inscreveram na Refeno com um aumento de 25% comparado às últimas edições. Cinquenta e nove barcos partiram do Marco Zero do Recife, no último sábado (29), e 54 chegaram a Fernando de Noronha.

Duas foram rebocadas para Natal, enquanto outras três ligaram o motor na ida ao Arquipélago e foram desclassificadas. A histórica edição da Refeno reuniu embarcações de 12 estados, além de Rússia e Grã-Bretanha. Pernambuco teve o maior número de participantes com 16 barcos. No total, 447 tripulantes competiram na maior regata oceânica da América Latina.

E, além da competição, que teve o pernambucano Patoruzú como o Fita Azul com o tempo de 25h58min12s, a Refeno 2018 se destacou pelas ações sociais realizadas em Fernando de Noronha. Os inscritos na regata doaram duas horas em pelo menos um dia para realizar atendimentos médicos, odontógicos, jurídicos, além de aulas de vela e entrega de material higiênico e esportivo na Creche Bem-me-quer e Escola Estadual Fernando de Noronha.

“A gente está deixando na Refeno deste ano um legado de ações sociais. Participaram advogados, psicólogos, odontólogos, nutrólogos, nutricionistas (houve também aula de vela para crianças no Porto de Noronha). Então, foi muito importante essa participação. O Cabanga também arca com uma manutenção mensal, mesmo que pequena, em termos de doação para a creche aqui de Noronha”, afirmou o Comodoro Delmiro Gouveia.

]]>
0
Loyalty deixa o mar para vencer regatas em águas doces no Sul http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/03/loyalty-deixa-o-mar-para-vencer-regatas-em-aguas-doces-no-sul/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/03/loyalty-deixa-o-mar-para-vencer-regatas-em-aguas-doces-no-sul/#respond Wed, 03 Oct 2018 15:59:16 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3959

Loyalty 06 Team no Rio Guaíba (RS) – Ricardo Pedebos / Veleiros do Sul

O Loyalty 06 Team mostrou que não se abalou com a recente mudança de endereço. O barco da Classe C30, ex-Loyal, deixou o litoral norte paulista, transferido para o Veleiros do Sul (VDS), em Porto Alegre, logo após conquistar o terceiro lugar na Semana de Vela de Ilhabela. Em sua nova casa, o Loyalty venceu o 48º Troféu Seival, pelo Circuito Conesul.

O barco do novo comandante Alexandre Leal foi o primeiro colocado na tradicional regata gaúcha nas classes IRC e ORC e ainda levou o Troféu Xodó, destinado ao fita-azul, primeiro barco a cruzar a linha de chegada. Na classificação geral do Conesul, o Loyalty ficou em terceiro lugar na IRC, apenas um ponto atrás de Caulimaran e Conquista. O circuito reuniu 41 embarcações de Porto Alegre, Pelotas e Rio Grande.

“Embora a tripulação seja experiente, foi a primeira vez que velejou junta. Ainda tivemos de correr para montar o barco porque o transporte atrasou e não houve tempo para treinarmos. Para completar, logo no primeiro dia de regatas pegamos 20 nós (35 km/h) de vento, desafio que custou alguns erros, mas que ajudou a nos prepararmos para a sequência do campeonato”, considerou o comandante Leal.

A vitória do Loyalty nos tempos real e corrigido no Troféu Seival veio após 11h50m17 de regata para um percurso de 67,8 milhas (120 km) na maior prova de água doce do País, incluindo-se Rio Guaíba e Lagoa dos Patos no trajeto. No tempo corrigido, Caulimaran e Stand By Me ficaram em segundo e terceiro lugares.

“O espírito de equipe e a dedicação dos tripulantes foram fundamentais para que crescêssemos durante o campeonato e chegássemos à tríplice coroa no Troféu Seival. Além da experiência, o time foi muito coeso e determinado. O Loyalty comprovou que a Classe C30 é competitiva em qualquer situação, seja na IRC ou na ORC”, constatou Leal.

A tripulação de Leal contou com André Gick, Gustavo Thiesen, Gui Fasolo, Thiago Knippling, Nenê Oliveira e Rodolfo Streibel. “Foi grande a alegria de voltar a competir no Sul, reencontrar os amigos e manter em casa (Veleiros do Sul) o mais importante e tradicional troféu (Seival) da vela gaúcha”, enalteceu o comandante do Loyalty 06 Team, barco C30, há sete anos acostumado a vencer no mar e, a partir de agora, veloz também em água doce.

 

]]>
0
Copa Vela Master Brasil é exemplo de vitalidade na Guarapiranga http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/03/copa-vela-master-brasil-e-exemplo-de-vitalidade-na-guarapiranga/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/10/03/copa-vela-master-brasil-e-exemplo-de-vitalidade-na-guarapiranga/#respond Wed, 03 Oct 2018 15:51:58 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3956

Calasses Finn, Snipe e Laser antes da largada na Guarapiranga (Danilo de Menezes / Curupira)

A Copa Vela Master Brasil (VMB) comprovou neste fim de semana (29 e 30/9) na Represa Guarapiranga que a vela é um esporte sem limite de idade. Velejadores de 50, 60, 70 anos ou mais, deram um exemplo de vitalidade ao correrem no sábado três regatas em sequência, válidas pelos campeonatos paulistas de Snipe, Laser (Standard e Radial) e Finn. A competição com sede no Yacht Club Paulista (YCP) ainda valeu pela 6ª Etapa da Copa VMB de Laser, com suportes de Yacht Club Santo Amaro (YCSA) e Federação de Vela do Estado de São Paulo (Fevesp).

As três regatas foram disputadas com vento de sul a sueste entre 8 e 10 nós. No domingo, primeiro a calmaria e depois a tempestade, impediram que 57 barcos corressem a quarta regata, que completaria o programa. Consideradas as provas da véspera, tornaram-se campeões paulistas: Ricardo Barbosa e Gustavo Queiroz (YCSA) na classe Snipe, Ricardo Santos (YCSA) na Finn, Gustavo Malta (Pajuçara-AL) na Laser Standard e Iago Whately (YCSA) na Laser Radial.

Organizador do evento e criador do Grupo Vela Master Brasil, o velejador da Classe Laser, Manfred Kaufmann Jr. comemorou a iniciativa. “Quase 60 barcos de quatro classes confirmam o potencial da categoria máster. Há muito tempo não víamos tantos barcos dessas classes juntos na raia”. A Copa VMB reuniu velejadores de São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Sergipe e Alagoas.

Em contato com os competidores veteranos, após as regatas, Kaufmann obteve retorno positivo e incentivo para desenvolver a categoria. “Os velejadores foram receptivos à oportunidade de competir em igualdade de condições com adversários da mesma faixa etária. O projeto vai crescer”, afirmou Kaufmann, otimista com o futuro.

O grupo está completando apenas um ano e já se mostra ativo em relação aos eventos que estão sendo criados. A Copa VMB de Laser teve seis etapas em 2018: Recife, Florianópolis, Niterói, Juiz de Fora, Rio de Janeiro e São Paulo. A previsão para 2019 é de oito etapas, incluindo-se Porto Alegre e Brasília. A Classe Laser projeta ainda para o próximo ano, realizar o primeiro Campeonato Brasileiro Master no Rio de Janeiro, devido ao sucesso da etapa carioca em 2018.

Três dias de asfalto antes da água – A Copa (VMB) motivou o velejador Márcio Alves, de Aracaju (SE), a vir para São Paulo. O barco Laser Standard percorreu 2.300 quilômetros sobre a capota da caminhonete em que Márcio viajou ao lado da mãe e da tia. “Fui muito bem recebido e está bem divertido, na água e no clube. Eu não velejava na Guarapiranga a há uns 25 anos. Quero aproveitar também para fazer umas comprinhas no centro da cidade e tomar um banho de civilização na Avenida Paulista”, relatou o velejador sergipano.

Márcio é filiado ao ICAJU – Iate Clube de Aracaju, onde costuma correr regatas regionais. Neste primeiro ano da Copa VMB, também disputou a etapa de Pernambuco, em Maria Farinha. “Espero que a presença maciça na categoria máster, sirva de incentivo aos jovens da Optimist, afinal, eles são o futuro da vela”, desejou Márcio, que começou a velejar de Snipe aos 17 anos, mas apenas há sete meses comprou o Laser. “Quero treinar mais para melhorar meus resultados”.

Aprovação de campeão mundial – A Copa VMB contou com o prestígio de Jorge Zarif, velejador olímpico e campeão mundial da Classe Finn. Associado ao YCP, Jorginho incentivou os veteranos da vela. “Ver esses velejadores da categoria máster na Guarapiranga é gratificante. Na Europa, os mundiais de máster chegam a reunir 350 barcos. O projeto Vela Master Brasil é muito bacana e pode contar com meu apoio”, ratificou Zarif em campanha para os Jogos Tóquio 2020.

O Grupo Vela Master Brasil foi idealizado pelo velejador olímpico Manfred Kaufmann Jr, o Fips, representante brasileiro da Classe Flying Dutchman nos Jogos de Moscou, em 1980. A iniciativa de manter os velejadores veteranos competindo em alto nível, teve inspiração na experiência vivenciada por Kaufmann no World Master Games em abril de 2017 na Nova Zelândia, com 200 participantes na Classe Laser.

Copa Vela Master Brasil (Campeonato Paulista)

Classe Snipe

1 – Ricardo Barbosa e Gustavo Queiroz (YCSA)

2 – Federico Hackerott e Eric Van Deursen (YCP)

3 – Marcos Val e Alejandro Olio (YCP)

Classe Laser Standard

1 – Gustavo Malta (Iate Clube Pajuçara – AL)

2 – Ricardo Scheible (Clube de Campo Castelo)

3 – Carlos Eduardo Wanderley (YCSA)

Classe Laser Radial

1 – Iago Whately (YCSA)

2 – Naltor Coelho (Iate Clube de Santa Catarina)

3 – Cristiano Fuchs (YCSA)

Classe Finn

1 – Ricardo Santos (YCSA)

2 – Luis Mosquera (Iate Clube do Rio de Janeiro)

3 – Cristiano Ruschmann (YCP)

]]>
0
Vai começar a Refeno http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/27/vai-comecar-a-refeno/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/27/vai-comecar-a-refeno/#respond Thu, 27 Sep 2018 14:38:38 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3952 A vela oceânica brasileira está reunida em Pernambuco para a Refeno – Recife – Noronha 2018

Larga no sábado, 28

É uma competição tradicional e quem rivaliza com a Semana de vela de Ilhabela como a mais importante do nosso calendário.

Será a 30ª regata

Quem nos mandou notícias de Recife foi o Team Angola Cables, que vai medir na classe RGS. A última participação do Team Angola Cables na Refeno ocorreu em 2015. Também apontada como uma das favoritas na época, a equipe não decepcionou, conquistando o primeiro lugar na classe RGS. O barco Mussulo III foi o terceiro a chegar na ilha de Fernando de Noronha, após 31h15m02s.

“Acabamos de participar da terceira etapa da Copa Suzuki, disputada em Ilhabela, litoral de São Paulo, como teste final antes da Refeno. A equipe, apesar de ter disputado em outra categoria, mostrou um bom entrosamento e obteve uma ótima performance na competição. Vamos para a Refeno, confiantes e com a aposta de que tenhamos ventos favoráveis, ao menos de média para forte intensidade, para fazermos uma excelente prova”, explica José Guilherme Caldas, comandante do Team Angola Cables Mussulo III.

]]>
0
Copa Vela Master Brasil: talento e experiência na Guarapiranga http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/25/copa-vela-master-brasil-talento-e-experiencia-na-guarapiranga/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/25/copa-vela-master-brasil-talento-e-experiencia-na-guarapiranga/#respond Tue, 25 Sep 2018 21:58:51 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3949

Flotilha de Snipe na Guarapiranga (JMendes / YCP)

O último fim de semana de setembro (29 e 30) na Represa Guarapiranga estará reservado para o talento dos mais experientes velejadores das classes Laser (Standard e Radial), Snipe e Finn. A Copa Vela Máster Brasil já recebeu mais de 40 inscrições e deverá alcançar cerca de 60 barcos com tripulantes distribuídos em categorias a partir de 35, 40 e 45 anos conforme a classe, chegando a ultrapassar a idade de 80 anos.

A competição será válida pelo Campeonato Paulista Máster das quatro classes e também pela 6ª Etapa do Circuito Vela Máster Brasil de Laser (STD e RAD). Estão previstas quatro regatas, duas por dia, com largadas a partir das 13h no sábado e das 12h no domingo, sem descarte. A organização é da Fevesp – Federação de Vela do Estado de São Paulo e do YCP – Yacht Club Paulista, com apoio do YCSA – Yacht Club Santo Amaro.

O Grupo Vela Master Brasil foi idealizado pelo velejador olímpico Manfred Kaufmann Jr, o Fips, representante brasileiro da Classe Flying Dutchman nos Jogos de Moscou, em 1980. A iniciativa de manter os velejadores veteranos competindo em alto nível, teve inspiração na experiência vivenciada por Kaufmann no World Master Games em abril de 2017 na Nova Zelândia, com 200 participantes na Classe Laser.

“Os atletas da categoria máster, que desejam seguir em atividade, têm o direito de competir em igualdade de condições e em eventos próprios. Nas competições internacionais, há situações específicas para que o regulamento se ajuste ao perfil dos velejadores como, número de regatas por dia e velocidade máxima do vento. A disputa é o que importa, mas também há várias atividades de confraternização”, afirma Kaufmann.

Neste ano, uma das primeiras ações do Vela Master Brasil foi estabelecer o Circuito Brasileiro Máster de Laser, em seis etapas. O Campeonato Paulista Máster (29 e 30/9) será a sexta etapa. As anteriores foram realizadas em Recife, Florianópolis, Niterói, Juiz de Fora e Rio de Janeiro. O ranking nacional máster será formado pela pontuação de cinco etapas de 2018, mais o Campeonato Brasileiro em janeiro de 2019, em Niterói (RJ). No próximo ano serão incluídas etapas em Brasília e Porto Alegre como novidades.

]]>
0
YCI no Dia Mundial da Limpeza! http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/17/yci-no-dia-mundial-da-limpeza/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/17/yci-no-dia-mundial-da-limpeza/#respond Mon, 17 Sep 2018 03:43:31 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3946 Vídeo abaixo é do Julio Cardoso sobre o World Cleanup Day, que ocorreu no último sábado

Também chamado de Dia Mundial da Limpeza!

O Yacht Club de Ilhabela, que organiza regatas como a Semana de Vela de Ilhabela foi uma das instituições que aderiram ao movimento.

150 países do mundo fizeram a sua parte!

Veja o que disse o diretor de meio ambiente do YCI

 

Saiba mais sobre a ação aqui –> https://bit.ly/2NKrv1D

A Semana de Vela de Ilhabela 2018 contou com mais de 120 barcos!

Destaque para a equipe do Crioula, que venceu a Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil (bateu recorde), a Ilhabela Cup e o título geral do evento.

ORC e IRC mediram juntas e eles ganharam nos dois.

]]>
0
Dia Mundial da Limpeza http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/14/dia-mundial-da-limpeza/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/14/dia-mundial-da-limpeza/#respond Fri, 14 Sep 2018 03:42:53 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3943 Sábado, dia 15, é o Dia Mundial de Limpeza

World Cleanup Day para os gringos!

E a Semana de Vela de Ilhabela soltou uma nota, em conjunto com o YCI, sobre a importância da data.

A ação está se espalhando para vários pontos da cidade do litoral paulista e a mobilização será grande.

Semana de Vela de Ilhabela no Dia Mundial de Limpeza

Os voluntários irão realizar a limpeza de praias, rios, costeiras, trilhas e cachoeiras em 35 pontos diferentes da cidade.

A ação na cidade vai ser realizada das 8h às 12h.

Na semana de Vela de Ilhabela 2018, o Yacht Club promoveu uma ação ambiental inédita.

O grupo liderado pelo diretor de meio ambiente Júlio Cardoso retirou o excesso de lixo boiando no mar. A ação foi voluntária e aberta ao público e aos barcos participantes da competição.

A On Board Sports, agência oficial da Semana de Vela de Ilhabela, tem mais detalhes

Veja aqui

Conheça os 35 pontos da Ilha em que os voluntários realizarão a limpeza:

1)Praia Itaquanduba
2)Praia Itaguassu
3)Praia Grande/Juliao ate Urubu e Ilhote Prainha
4)Praia Engenho D Água
5)Praia do Perequê
6)Ponte Espraiada / Marina Mistral
7)Praia Barra Velha entrada da cidade
8)Praia Ilha das Cabras
9)Praia do Portinho
10)Praia da Feiticeira
11)Praia do Oscar
12)Praia Grande
13)Praia do Curral/Veloso/Costeira
14)Praia Barreiros
15)Bexiga/Costeira
16)Marina Porto/Rio da Barra Velha
17)Marina YCI
18)Praia Sta Tereza
19)Praia Jabaquara
20)Córrego do Ribeirão Água Branca
21)Córrego da estrada do Camarão /Campo de futebol
22)Corrego Buraco do Morcego
Os dois últimos terão plantio em cada, três árvores nativas
23)Castelhanos na sexta feira
24)Praia Mansa/Castelhanos
25)Costeira Bexiga
26)Estrada de Castelhanos
27)Ilha da Vitória
28)Bonete

Trilhas do Parque:
29)Baepi
30)Mirante do BaePi
31)Estrada de Castelhanos
32)Cachoeira do Gato
33)Trilha da Água Branca
34)Trilha dos três Tombos
35)Trilha do Veloso

As inscrições de voluntários, para as ações do YCI, estão sendo feitas na secretaria social do YCI, com Bruna: social@yci.com.br, (12) 3896-2300 ou no link:  www.yci.com.br/diamundialdelimpeza.

 

]]>
0
Com brasileiros, Star Sailors League Finals retorna a Nassau em dezembro http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/05/com-brasileiros-star-sailors-league-finals-retorna-a-nassau-em-dezembro/ http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/2018/09/05/com-brasileiros-star-sailors-league-finals-retorna-a-nassau-em-dezembro/#respond Wed, 05 Sep 2018 17:12:56 +0000 http://sobreasaguas.blogosfera.uol.com.br/?p=3936

Scheidt e Maguila no pódio da SSL Finals em Nassau, em 2017 (Gilles Morelle / SSL)

Há três meses do maior evento mundial da Classe Star, nove entre os dez primeiros timoneiros do ranking da Star Sailors League (SSL) confirmaram presença na SSL Finals.  Pelo sexto ano consecutivo as regatas finais terão como sede o Nassau Yacht Club (NYC) nas águas azuis e transparentes das Bahamas, entre 3 e 8 de dezembro.  A premiação total é de 200 mil dólares.

Dois brasileiros estão no top ten dos timoneiros da SSL. Robert Scheidt é o segundo colocado e Lars Grael ocupa a quarta posição. Ambos os medalhistas olímpicos estarão em Nassau, entre os 25 finalistas. Scheidt venceu a primeira edição em 2013 ao lado de Bruno Prada. Em 2016 e 2017 o bicampeão olímpico foi bronze e prata com Henry Boening, o Maguila. Lars correu a SSL Finals pela primeira vez no ano passado com Samuel Gonçalves.

Por enquanto, a única exceção entre os dez primeiros convidados é o britânico Paul Goodison, décimo no ranking da SSL e vencedor em 2017 por apenas um segundo sobre Scheidt. O campeão olímpico da Classe Laser aguarda ainda a liberação de sua equipe da America’s Cup, a America Magic, para correr em Nassau.

Os 15 barcos restantes serão ocupados por convidados de currículo relevante na Classe Star ou na vela mundial como, jovens talentosos e promissores, velejadores com títulos mundiais e aqueles que ainda se destacarem no Campeonato Mundial de Star, que neste ano será disputado de 7 a 14 de outubro em Oxford, Maryland (EUA).

Perdeu, está fora – Nos quatro primeiros dias as 25 tripulações correm 11 regatas, todos contra todos, com apenas um descarte. As dez primeiras colocadas permanecem no campeonato para disputar três regatas no dia decisivo: quartas de final, semifinal e final. O líder da fase de classificação vai direto à final. O segundo colocado passa para a semifinal. A cada regata da fase decisiva três barcos são eliminados.

As regatas serão transmitidas ao vivo na Internet com os comentários de especialistas e convidados especiais no estúdio. Na água, a mais recente tecnologia em câmera HD, assim como o Virtual Eye 3D Graphics, proporcionarão uma visualização emocionante, em detalhes, intercalando-se imagens ao vivo com a telemetria animada dos barcos, direto da Baía de Montagu. Quem quiser “velejar” sem sair da poltrona, poderá jogar o Virtual Regatta, vídeo game com a simulação de todas as situações de uma regata.

Dez primeiros timoneiros no ranking da SSL

1 – Diego Negri (ITA)

2 – Robert Scheidt (BRA)

3 – Xavier Rohart (FRA)

4 – Lars Grael (BRA)

5 – Mark Mendelblatt (EUA)

6 – Paul Cayard (EUA)

7 – Eivind Melleby (NOR)

8 – George Szabo (EUA)

9 – Augie Diaz (EUA)

10 – Paul Goodison (GBR)

 

]]>
0