Topo
Sobre as Águas

Sobre as Águas

Cinco campeões mundiais valorizam Semana de Monotipos de Ilhabela, uma das mais fortes da história

Antonio Alonso

09/07/2019 11h32

A 46ª Semana de Monotipos de Ilhabela chega ao fim nesta terça-feira (9), marcada pelo alto nível técnico das regatas. A presença de campeões do mundo, brasileiros e estrangeiros, e a participação de velejadores em preparação para o Pan de Lima, no Peru, elevaram o padrão do evento, fazendo desta edição umas das mais fortes da história.

Campeões mundiais elevam nível das regatas de Snipe

A classe Snipe, particularmente, teve seu nível elevado. A raia montada no canal de São Sebastião recebe quatro campeões mundiais: os brasileiros Alexandre Paradeda e Bruno Bethlem, o cubano Nélido Manso Lopez e o uruguaio Ricardo Fabini. O motivo para essa 'invasão' é o fato de Ilhabela ser a sede do Campeonato Mundial, em outubro. Fora da água, mais um campeão do mundo, Bruno Prada, pentacampeão de Star, é técnico de Bethlem. "Promover um campeonato com tanta qualidade é motivo de alegria e orgulho para todos nós. Além da Snipe, todas as classes estão bem fortes", explicou Cuca Sodré, coordenador técnico da Semana de Monotipos.

Os cubanos Darien Pimentel (técnico), Iris e Nélido Manso

Campeão mundial em 1999 e dono de três medalhas de ouro nos Jogos Pan-Americanos, Nélido Manso Lopez veio para Ilhabela com foco no Mundial e nos Jogos do Peru. "É minha terceira vez no Brasil, mas a primeira na Ilha, uma cidade bela, limpa e tranquila. Classifico as regatas da Semana de Monotipos como difíceis, mas é preciso treinar e se acostumar com as condições do mar, já pensando no mundial. Estou voltando a velejar em alto nível após um ano, pois em Cuba não há tantos barcos, e enfrentar uma disputa forte como essa é um bom teste. Espero evoluir e lutar pela medal race em Lima e depois ver como será no mundial", afirmou o experiente atleta, que compete ao lado da filha Iris.

Bruno Bethlem, bicampeão mundial (2009 e 2013) e medalha no ouro no Pan de 2003, lembra que a presença de velejadores experientes e com títulos internacionais ajuda não só a elevar o patamar da disputa, mas também a motivar os atletas jovens. "O campeonato está muito competitivo, pois os principais nomes do Brasil estão aqui, além de alguns estrangeiros. Está sendo um ótimo treino visando o mundial. As condições estão muito boas e é importante conhecer a raia já pensando em outubro", avaliou.

Para Alexandre Paradeda campeão mundial em 2001 e ouro no Pan-Americano do Rio, em 2007, a Semana de Monotipos de 2019 é a mais forte da história da competição. "Tem muita gente boa neste ano em Ilhabela. Alguns se preparando para o Pan, outro para o Mundial, que vai ser aqui na ilha. É importante aproveitar a oportunidade de velejar e medir forças com esses caras e aproveitar para intensificar a preparação para competir em outubro", relatou.

O secretário de Esportes de Ilhabela José Roberto Jesus fez coro com os campeões mundiais sobre o sucesso da Semana de Monotipos. "Desde quando a cidade ganhou o direito de sediar o mundial, aqueceu a vela em Ilhabela. A prefeitura adquiriu barcos e os moradores embarcaram na classe Snipe. Além disso, temos um multicampeão como o Alexandre Paradeda como técnico. Isso tudo agrega valores para fomentar a vela nessa classe. Nessa competição contamos com quatro países e, quem sabe, o próximo campeão mundial pode estar velejando neste evento. Tudo isso é muito bom e vamos colorir esse canal com as velas e aquecer esse inverno", afirmou.

Mais de 300 barcos – A 46ª Semana de Monotipos de Ilhabela, começou neste sábado (6) e prossegue até terça-feira (9), reunindo 300 barcos na cidade do litoral norte paulista, considerada a capital nacional da modalidade náutica. A competição antecede a tradicional Semana Internacional de Vela de Ilhabela, a partir do próximo dia 13. A sede e secretaria do evento ficam na Escola Municipal de Vela Lars Grael (avenida Santos Dumont, s/nº , no Saco da Capela). As Áreas de Regatas serão no Canal de São Sebastião.

As seis raias montadas no canal de São Sebastião reunem velejadores a partir de 8 anos, das classes Optimist, Laser (4.7, Radial e Standard), Snipe (Geral e Junior), Hobbie Cat 16, 420, Dingue (Geral e Estreante), Open Bic, 29er, Windsurf Slalom, Star e Kitsurf. Todas integram programas de regatas olímpicas ou pan-americanas, além da vela de base.

Race Village – Em paralelo às competições ao longo do mês de julho, a Secretaria de Desenvolvimento e do Turismo promove o Race Village. A ação está sendo no Centro Histórico da cidade, e recebe vasta programação musical e cultural, prometendo reunir milhares de pessoas entre locais, turistas, atletas e seus amigos e familiares. Tudo grátis até o dia 28.

Sobre o Autor

Antonio Alonso Jr é capitão amador e cobre esporte há 15 anos, com passagens pela Folha de S.Paulo e por um UOL ainda em seus primeiros anos de vida. Jornalista e formado também em Esporte teve a excêntrica ideia de se dedicar à cobertura náutica, com enfoque para a Vela. Depois de oito anos na principal revista especializada do país, estreia seu blog em novo endereço no UOL.

Sobre o Blog

A vela é o exemplo claro de que o sucesso de um esporte não se mede em medalhas. Ela foi o esporte que mais medalhas Olímpicas deu ao Brasil. Ainda assim, é um esporte desconhecido, com enorme dificuldade de atrair público e restrito a guetos idílicos. Este blog não está interessado em resolver esse problema, mas em trazer mais para perto esse esporte excêntrico, complicado talvez, mas cheio de matizes empolgantes e que coloca atletas e meio-ambiente numa simbiose singular no mundo esportivo. Bem-vindo a bordo.