Sobre as Águas

Arquivo : Yacht Clube Paulista

Semana de Vela de Ilhabela tem homenagem a barco campeão olímpico
Comentários Comente

Antonio Alonso

284816_608887_dsc_6030b

A Semana de Vela de Ilhabela sempre registrou a presença de atletas que representaram o Brasil e outros países em Jogos Olímpicos. Por ser o maior evento de vela da América Latina, os velejadores enchem as raias para disputar regatas técnicas e divertidas com mais de 150 embarcações na água. Na edição 2016, que será disputada de 1º a 9 de julho, um barco vai resgatar a história olímpica: o Jacaré (Pedro Fukui) da classe Mini. É uma homenagem à dupla Lars Sigud Bjokstron e Alex Welter, que conquistou do ouro em Moscou 1980. Foi a primeira dourada da vela nacional em olimpíadas.”É o nome do barco que ganhou a primeira medalha de ouro nas olimpíadas e o apelido do meu filho mais velho”, disse Pedro Fukui.

O barco Jacaré foi o campeão da edição 2015 da classe Mini da Semana de Vela de Ilhabela. Ano passado a categoria de 21 pés teve ao todo três veleiros. ”Corro em casa na Semana de Vela de Ilhabela. A classe Mini é uma categoria com aproximadamente 1.000 barcos no mundo e a sua principal regata é a MiniTrasat”.

O veleiro Mini tem 6.5 metros de linha d’água, 3 metros de boca e 1.4 de calado. O barco foi desenvolvido para atravessar o oceano Atlântico em solitário. Na Semana de Vela geralmente são dois tripulantes – assim como em Moscou 1980 – com timoneiro e proeiro.

As inscrições continuam abertas

Os tripulantes devem se inscrever no site oficial www.svilhabela.com.br. Até 20 de junho, o custo será de R$ 320 por velejador. De 21 a 27 de junho passa a ser de R$ 420. As tripulações dos veleiros que ficarem em seus clubes, em amarras próprias ou outros locais fora o Yacht Club de Ilhabela terão 20% de desconto no valor da inscrição.

AS CLASSES

BICO DE PROA – Divisão formada por veleiros de oceano, elegíveis pela Comissão Técnica, que não utilizam nenhuma regra de handicap.

CARABELLI 30 – Classe One Design de veleiros de 30 pés projetados pelo experiente velejador e projetista Horácio Carabelli.

CLÁSSICOS – Subdivisão especial da RGS para barcos certificados pela ABVClass e sem velas produzidas com material exótico.

HPE 25 – Os barcos da classe, de projeto do argentino Javier Soto Acebal, formam uma classe nacional de produção em série.

HPE 30 – Com 30 pés, estes barcos, também projeto do argentino Javier Soto Acebal, formam a mais nova classe one-design do país.

IRC – Regra internacional que se destina a um amplo número de barcos, de vários tamanhos e formas, desde cruzeiros até os one-off de regata.

J/70 – Classe one-design internacional de barcos com apenas 22,75 pés mas extremamente velozes e ágeis.

MINI – Classe internacional formada por barcos de 21 pés projetados para encarar todos os desafios, inclusive travessias oceânicas.

ORC – Regra internacional do Offshore Racing Committee destinada a barcos com configurações de competição, de tipos e tamanhos diferentes.

RGS – A Regra Geral Simplificada é uma regra nacional caracterizada pela grande presença de vários barcos com perfil predominante de cruzeiro.

RGS SILVER – Divisão especial da RGS para barcos com no mínimo 28 pés, sem velas exóticas e aprovados pela Comissão Técnica da Semana de Vela.

SOTO 40 – Moderna classe One Design planadores criada pelo projetista argentino Javier Soto Acebal, formada por veleiros de 40 pés.

STAR – No Brasil é a classe de maior expressão olímpica, com a conquista de seis medalhas, além de seis títulos mundiais.

Mais informações:
Site oficial – svilhabela.com.br
Facebook – semanadeilhabela
Twitter – svilhabela
Instagram – svilhabela
Youtube – Semana de Vela de Ilhabela

Foto: Aline Bassi / Balaio de Idéias


Contagem regressiva de um mês para a Semana de Vela de Ilhabela 2016
Comentários Comente

Antonio Alonso

284583_608328_dsc_4571b

A 43ª edição da Semana de Vela de Ilhabela deve reunir 150 barcos de 13 classes diferentes no litoral norte paulista, de 1º a 9 de julho. Entre as equipes, atletas da Rio 2016 como Samuel Albrecht, medalhistas olímpicos como Lars Grael, campeões pan-americanos como Maurício Santa Cruz, e outros mil velejadores misturados entre os profissionais e os amadores, que serão a maioria no evento. A contagem regressiva para as regatas já começou e as equipes se prepararam para o desafio. Estão previstas mais de 100 regatas entre veleiros de monotipo, ou seja, desenvolvidos para serem iguais na água, e os de rating, aqueles com projetos diferentes e que exigem uma fórmula para calcular quem venceu.

A regata é a consagração da vela brasileira de oceano, mas a sua fórmula fundamental é colocar em um mesmo evento desde a elite da vela até os competidores de fim de semana, permitindo que ídolos e fãs participem juntos, divirtam-se e troquem experiências. Nós tentamos criar o espaço e o ambiente para que isso aconteça, buscamos ainda envolver o público nesse espetáculo de forma a tornar o evento imperdível para mais gente”, disse o diretor de vela do Yacht Club de Ilhabela, Carlos Eduardo Souza e Silva.

Barcos de outros três países já fizeram a inscrição para a Semana de Vela de Ilhabela, inclusive o atual campeão da ORC, o uruguaio Cristabella. Argentinos e chilenos estarão no start list das regatas. ”Em Ilhabela, reunimos os principais velejadores. É a melhor regata que temos na América do Sul! Passamos o ano todo só pensando em voltar e disputar as provas aqui. É um lugar em que gostamos muito de correr e reúne o maior número de barcos da América Latina”, disse Francisco Freitas, do San Chico 3, um BB 40, projetado pelo Javier Soto (41.5 pés).

As inscrições continuam abertas para a Semana de Vela de Ilhabela 2016. Os tripulantes devem se inscrever no site oficial www.svilhabela.com.br. Até a terça-feira (31), o valor é de R$ 260 por tripulante. Já de 1º a 20 de junho, o custo será de R$ 320. De 21 a 27 de junho passa a ser de R$ 420. As tripulações dos veleiros que ficarem em seus clubes, em amarras próprias ou outros locais fora o Yacht Club de Ilhabela terão 20% de desconto no valor da inscrição.

AS CLASSES

BICO DE PROA – Divisão formada por veleiros de oceano, elegíveis pela Comissão Técnica, que não utilizam nenhuma regra de handicap.

CARABELLI 30 – Classe One Design de veleiros de 30 pés projetados pelo experiente velejador e projetista Horácio Carabelli.

CLÁSSICOS – Subdivisão especial da RGS para barcos certificados pela ABVClass e sem velas produzidas com material exótico.

HPE 25 – Os barcos da classe, de projeto do argentino Javier Soto Acebal, formam uma classe nacional de produção em série.

HPE 30 – Com 30 pés, estes barcos, também projeto do argentino Javier Soto Acebal, formam a mais nova classe one-design do país.

IRC – Regra internacional que se destina a um amplo número de barcos, de vários tamanhos e formas, desde cruzeiros até os one-off de regata.

J/70 – Classe one-design internacional de barcos com apenas 22,75 pés mas extremamente velozes e ágeis.

MINI – Classe internacional formada por barcos de 21 pés projetados para encarar todos os desafios, inclusive travessias oceânicas.

ORC – Regra internacional do Offshore Racing Committee destinada a barcos com configurações de competição, de tipos e tamanhos diferentes.

RGS – A Regra Geral Simplificada é uma regra nacional caracterizada pela grande presença de vários barcos com perfil predominante de cruzeiro.

RGS SILVER – Divisão especial da RGS para barcos com no mínimo 28 pés, sem velas exóticas e aprovados pela Comissão Técnica da Semana de Vela.

SOTO 40 – Moderna classe One Design planadores criada pelo projetista argentino Javier Soto Acebal, formada por veleiros de 40 pés.

STAR – No Brasil é a classe de maior expressão olímpica, com a conquista de seis medalhas, além de seis títulos mundiais.

Mais informações:
Site oficial – svilhabela.com.br
Facebook – semanadeilhabela
Twitter – svilhabela
Instagram – svilhabela
Youtube – Semana de Vela de Ilhabela

Foto: Eduardo Grigaitis/Balaio de Ideias


Barco de Ilhabela vence Campeonato Paulista de HPE 2016
Comentários Comente

Antonio Alonso

Campeonato Paulista de HPE
Ginga mantém a liderança e fatura quinto título estadual da classe de 25 pés. O barco Ginga foi o campeão do 11º Campeonato Paulista de HPE, disputado pela primeira vez na Represa do Guarapiranga, em São Paulo (SP). O quarteto formado por Breno Chvaicer, José Vicente Melo Monteiro, Ronion Silva e Gabriel Silva faturou seu quinto título estadual e o quarto na sequência. O Ginga terminou a competição com 20 pontos perdidos em nove regatas (com um descarte), sete pontos de vantagem para o vice-campeão, o Pajero – barco comandado por Eduardo Souza Ramos. Neste domingo (10), último dia de provas, os ventos variaram de 10 a 12 nós soprando de Sul.

”O desempenho foi muito bom da nossa equipe! Até a última regata nada estava decidido, o que aumentou o nível das provas. Foram muitas trocas de posição, mas prevaleceu o nosso entrosamento e a calma nos momentos de maior dificuldade. Controlamos bem a situação”, disse o comandante Breno Chvaicer.

Além do título de 2016, o Ginga conquistou o Campeonato Paulista de HPE nos anos de 2011, 2013, 2014 e 2015. O evento de 2012 foi vencido pelo Avanto (Dario Galvão). O objetivo do barco vencedor será retomar o título brasileiro da categoria, que será disputado em novembro, no Rio de Janeiro (RJ). O Ginga ganhou o nacional de HPE em 2011 e 2013.

O Campeonato Paulista de HPE teve como palco a Guarapiranga pela primeira vez. Os velejadores e a organização aprovaram a variação de mar para represa, o que pode ampliar a flotilha na capital paulista. ”Foi um campeonato muito acirrado na represa, com regatas pegadas e mudanças de posição a cada montagem de boia. Velejar na represa é diferente, pois o vento ronda demais, o que exige mais atenção dos atletas. Conseguimos colocar em prática nove regatas e acredito que a experiência deu certo”, disse Cuca Sodré, representante da comissão de regatas.

A medalha de prata ficou com o Pajero (Eduardo Souza Ramos), seguido por Atrevido (Fábio Bocciarelli), L200 Triton (Maurício Bueno) e Takeasuauer (Maurício Ashauer). O campeonato contou com a participação de 17 barcos.

Saiba mais sobre os HPE

Os HPE 25 são produzidos pelo estaleiro Zonda Boats de Indaiatuba e a flotilha no Brasil tem 55 veleiros. Com projeto inovador, processo de fabricação e materiais especiais, este veleiro de 25 pés é leve, resistente, veloz e fácil de manobrar. Devido a essas características, a classe tem atraído vários adeptos que vão de velejadores com grande experiência a iniciantes, pois, seu deck de layout simples e eficiente e o uso de um enrolador para a buja, permitem que o HPE25 seja facilmente velejado por duas pessoas.

O 11º Campeonato Paulista de HPE é uma realização do Yacht Club Paulista e da Associação Brasileira de HPE25, com apoio da Regatta. Mais informações no site www.ycp.com.br

Foto: Flávio Perez – Onboard Sports


Pajero assume a liderança no Paulista de HPE 2016
Comentários Comente

Antonio Alonso

Campeonato Paulista de HPE

O Pajero (Eduardo Souza Ramos) assumiu a liderança provisória do 11º Campeonato Paulista de HPE, que tem a participação de 17 barcos no Yacht Club Paulista (YCP). Neste domingo (3) ensolarado, a organização teve mais dificuldades para montar as raias por falta de vento. Quando as condições eram mínimas para uma prova, a largada foi dada na Guarapiranga para duas regatas. A primeira – com média de 6 nós de vento – foi vencida pelo Pajero, que tem a bordo o atleta olímpico e da Volvo Ocean Race André ‘Bochecha’ Fonseca. Na segunda, os novos líderes ficaram em terceiro e assumiram a ponta que era do Atrevido (Fábio Bocciarelli). ”Velejar na represa é diferente. As condições são sempre muito difíceis, pois são instáveis. O velejador desenvolve uma técnica fantástica velejando em raias como essa, principalmente na estratégia. Quanto mais flotilhas, mais nacional e forte fica a classe.”, disse Eduardo Souza Ramos, pota-bandeira do Brasil na Olimpíada de Los Angeles 1984.

O Paulista de HPE 25 tem o Pajero (Eduardo Souza Ramos) com 14 pontos perdidos, seguido de perto pelo Ginga (Breno Chvaicer), com 15 e o Atrevido (Fábio Bocciarelli) tem 17 pontos. O Takeashauer (Marcos Ashuauer), que venceu a segunda regata do domingo agora é o quarto, e o Suzuki (Felipe Furquin), o quinto na classificação geral.

As próximas regatas do Campeonato Paulista de HPE 2016 serão disputadas no próximo fim de semana, também no Yacht Club Paulista, em São Paulo (SP).

Mais informações sobre o evento

Com mais de dez anos de história, o HPE25 forma hoje uma flotilha com 57 barcos distribuídos em oito grandes cidades (Ilhabela, Rio de Janeiro, Vitória, Salvador, Porto Alegre, Florianópolis e Brasília) e está presente nos principais eventos, como a Semana Internacional de Vela, a Copa Suzuki – Circuito Ilhabela e foi o barco escolhido para as competições da 5ª edição dos Jogos Militares Mundiais, em 2011.

Os HPE 25 são produzidos pelo estaleiro HPE de Indaiatuba. Com projeto inovador, processo de fabricação e materiais especiais, este veleiro de 25 pés é leve, resistente, veloz e fácil de manobrar.
Devido a essas características, a classe tem atraído vários adeptos que vão de velejadores com grande experiência a iniciantes, pois, seu deck de layout simples e eficiente e o uso de um enrolador para a buja, permitem que o HPE25 seja facilmente velejado por duas pessoas.

O 11º Campeonato Paulista de HPE é uma realização do Yacht Club Paulista e da Associação Brasileira de HPE25, com apoio da Regatta. Mais informações no site www.ycp.com.br


Equilíbrio nas primeiras regatas do Campeonato Paulista de HPE
Comentários Comente

Antonio Alonso

Competição de vela na Represa do Guarapiranga reúne 17 monotipos. O 11º Campeonato Paulista de HPE começou como já esperado: regatas equilibradas entre os 17 barcos participantes no Yacht Club Paulista (YCP). Neste sábado (2), a organização conseguiu fazer duas provas e o melhor aproveitamento ficou para o Atrevido (Fábio Bocciarelli), que somou sete pontos perdidos. O evento quase acabou para os atuais líderes, pois na segunda regata ocorreu uma batida e a comissão decidiu dar seis pontos por reparação. O Atrevido volta à raia no domingo (3)! Em segundo aparecem três barcos empatados: Takra, Ginga e Pajero. ”Foi uma estreia muito equilibrada. A característica da Represa do Guarapiranga proporciona provas pegadas, pois o vento ronda mundo, soprando dos dois lados. A classe também é muito forte e ganha quem errar menos”, explicou Cuca Sodré, presidente da Comissão de Regatas.

A primeira regata do sábado ocorreu com ventos variando de 5 a 6 nós e foi vencida pelo Atrevida. A segunda do dia teve mais vento – 12 a 14 nós – e o vencedor foi o Repeteco. O atual campeão é o Ginga, liderado por Breno Chvaicer.Mais informações sobre o eventoCom mais de dez anos de história, o HPE25 forma hoje uma flotilha com 57 barcos distribuídos em oito grandes cidades (Ilhabela, Rio de Janeiro, Vitória, Salvador, Porto Alegre, Florianópolis e Brasília) e está presente nos principais eventos, como a Semana Internacional de Vela, a Copa Suzuki – Circuito Ilhabela e foi o barco escolhido para as competições da 5ª edição dos Jogos Militares Mundiais, em 2011.

Os HPE 25 são produzidos pelo estaleiro HPE de Indaiatuba. Com projeto inovador, processo de fabricação e materiais especiais, este veleiro de 25 pés é leve, resistente, veloz e fácil de manobrar.
Devido a essas características, a classe tem atraído vários adeptos que vão de velejadores com grande experiência a iniciantes, pois, seu deck de layout simples e eficiente e o uso de um enrolador para a buja, permitem que o HPE25 seja facilmente velejado por duas pessoas. Para as as competições, existe um limite de peso de 340 quilos a bordo.

Dados técnicos
Estaleiro: Zonda Boats
Comprimento: 7,67m
Boca: 2,60m
Calado: 1,70m
Área vélica: 31,3m²
Deslocamento: 1.100Kg
Projetista: Javier Soto Acebal
Material do casco: E-Glass / Espuma de PVC

placar

O 11º Campeonato Paulista de HPE é uma realização do Yacht Club Paulista e da Associação Brasileira de HPE25, com apoio da Regatta. Mais informações no sitewww.ycp.com.br


Campeonato Paulista de HPE 2016 invade a Guarapiranga
Comentários Comente

Antonio Alonso

hpe

Pela primeira vez, o evento da classe de one-design mais numerosa da vela oceânica brasileira será disputado em São Paulo (SP). Uma das competições mais acirradas da vela nacional será disputada pela primeira vez na capital de São Paulo. O 11º Campeonato Paulista de HPE será realizado nos dias 2,3,9 e 10 de abril, no Yacht Club Paulista (YCP), reunindo 20 barcos na Represa do Guarapiranga. A organização esperava fazer, pelos menos, duas provas por dia e o vencedor é o que somar o menor número de pontos. Quem chega em primeiro soma um, o segundo dois e assim por diante. O atual campeão é o Ginga, liderada por Breno Chvaicer.

Nomes como o medalhista olímpico Clínio de Freitas e André ‘Bochecha’ Fonseca, que disputou a última Volvo Ocean Race, estarão nas provas. A categoria de 25 pés, que leva em média quatro atletas por veleiro, foi construída para atender a realidade brasileira. O HPE está presente nos principais eventos da modalidade e chama a atenção por ser ágil e fácil de velejar, detalhes que fazem com que as disputas sejam ainda mais intensas e acirradas.

”A iniciativa de ter o HPE na capital é pioneira! A versão 25 pés do HPE é versátil, podendo ser usada no mar e na represa. Conseguimos reunir com isso os melhores velejadores para disputar esse campeonato e também fazemos com que o aperfeiçoamento ocorra já que o ambiente competitivo é muito alto. A Guarapiranga é um celeiro da vela nacional e os bons filhos à casa tornam”, disse o diretor de vela do YCP, Alberto Hackerott. A previsão para o primeiro fim de semana de regatas é de ventos sudeste de moderada intensidade como normalmente ocorre na represa.

Mais informações sobre o evento

Com mais de dez anos de história, o HPE25 forma hoje uma flotilha com 57 barcos distribuídos em oito grandes cidades (Ilhabela, Rio de Janeiro, Vitória, Salvador, Porto Alegre, Florianópolis e Brasília) e está presente nos principais eventos, como a Semana Internacional de Vela, a Copa Suzuki – Circuito Ilhabela e foi o barco escolhido para as competições da 5ª edição dos Jogos Militares Mundiais, em 2011.

Os HPE 25 são produzidos pelo estaleiro HPE de Indaiatuba. Com projeto inovador, processo de fabricação e materiais especiais, este veleiro de 25 pés é leve, resistente, veloz e fácil de manobrar.
Devido a essas características, a classe tem atraído vários adeptos que vão de velejadores com grande experiência a iniciantes, pois, seu deck de layout simples e eficiente e o uso de um enrolador para a buja, permitem que o HPE25 seja facilmente velejado por duas pessoas. Para as as competições, existe um limite de peso de 340 quilos a bordo.

Dados técnicos
Estaleiro: Zonda Boats
Comprimento: 7,67m
Boca: 2,60m
Calado: 1,70m
Área vélica: 31,3m²
Deslocamento: 1.100Kg
Projetista: Javier Soto Acebal
Material do casco: E-Glass / Espuma de PVC

O 11º Campeonato Paulista de HPE é uma realização do Yacht Club Paulista e da Associação Brasileira de HPE25, com apoio da Regatta. Mais informações no site www.ycp.com.br

Foto: Aline Bassi/Balaio de Ideias


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>