Sobre as Águas

Arquivo : Cape2Rio

Mussulo 40 no topo do pódio
Comentários Comente

Antonio Alonso

cape

A tripulação do barco angolano Mussulo 40, patrocinado pela empresa multinacional angolana de Telecom Angola Cables, recebeu o prêmio pela primeira colocação conquistada na classe Double Hand da regata Cape2Rio. A cerimônia ocorreu na noite de sexta-feira, no Iate Clube do Rio de Janeiro. Não faltaram motivos para o comandante José Guilherme Caldas e o skipper brasileiro Leonardo Chicourel, comemorarem. Além da chegada em primeiro, a dupla conseguiu bater o recorde na categoria com o tempo final de 16 dias, 14 horas 22 minutos e 12 segundos – o melhor índice alcançado até então era do barco Privateer, conquistado em 2014, com 17 dias, 20 horas e 43 minutos.

“Tivemos um grande desempenho que se refleriu no resultado. Foi a nossa primeira travessia em Double Hand e esperamos participar de mais provas nesta modalidade. O barco estava muito bem preparado para a regata e isso fez toda a diferença. Os treinamentos feitos ao longo do tempo no Brasil, Uruguai e Caribe foram essenciais para mantermos um alto desempenho desde a largada, dia 1° de janeiro, sempre brigando pelos primeiros lugares, mesmo tendo barcos bem maiores e com mais tripulantes como competidores”, diz José Guilherme Caldas, comandante do Mussulo 40.

Angola Cables está na vanguarda da modalidade em Angola

O Mussulo 40 e Mussulo III são dois barcos patrocinados pela Angola Cables. A empresa também apoia dois velejadores do Clube Náutico de Luanda, que recentemente participaram do Campeonato Africano de Vela em Luanda. A relação entre a Angola Cables e a vela começou por acaso, quando um grupo de velejadores angolanos pediu apoio para participar na regata Cape2Rio de 2014.

“A vela é uma modalidade desportiva que envolve estratégias intensas, exige estar preparado para qualquer eventualidade e responder rapidamente às mudanças no ambiente; muito parecido com o nosso negócio. Existem ainda outros paralelos, como o fato de ser praticada à base de água e de termos milhares de quilómetros de cabos de fibra óptica no fundo do mar como parte da criação de redes intercontinentais de alta velocidade”, conclui António Nunes.


Cape2Rio termina com recorde do Mussulo 40 no Rio de Janeiro
Comentários Comente

Antonio Alonso

Foto: Publius Vergilius

Foto: Publius Vergilius

Foram quase duas semanas e 3.500 milhas pelo Oceano Atlântico, a partir da Cidade do Cabo. A tradicional regata Cape2Rio, realizada desde 1971, terminou no Rio de Janeiro nesta quarta-feira (18) reservando espaço para algumas boas surpresas.

Com apenas dois tripulantes a bordo, um deles brasileiro, o barco angolano Mussulo 40 mostrou um desempenho à altura de equipes e embarcações mais robustas. O barco foi o quarto a chegar à Marina da Glória, o primeiro na categoria Double Hand, primeiro na categoria Double Hand a chegar à Marina da Glória, com um tempo recorde de 16 dias, 14 horas, 22 minutos e 12 segundos que valeu a vitória na classe. Até então, o melhor índice era do Privateer, com 17 dias, 20 horas e 43 minutos na edição de 2014.

“Apesar de uma largada largada ruim, por conta de problemas técnicos, conseguimos nos superar, aproveitar todo o potencial do Mussulo 40 para vento forte e rapidamente recuperamos o tempo perdido. Desde o início da regata, nos mantivemos entre as primeiras posições”, afirma o comandante angolano José Guilherme Caldas, que formou a dupla vitoriosa com o skipper brasileiro Leonardo Chicourel.

Mesmo com as dificuldades impostas, a dupla conseguiu completar as 3500 milhas da Cape2Rio antes do previsto – inicialmente a previsão era entre 18 e 20 dias de regata. “Os últimos dias da prova foram de paciência e estratégia. Além da embarcação ter entrado numa zona de pressão, sem vento, registramos uma avaria no sistema de piloto automático, o que exigiu a pilotagem do barco em 100% do tempo”, completa Caldas.

O Mussulo 40, junto com o Mussulo III, integra uma iniciativa inédita da Angola Cables no apoio ao iatismo na África. A relação entre a empresa e a vela começou por acaso, justamente quando um grupo de velejadores angolanos pediu apoio para participar da regata Cape2Rio de 2014. “Parabéns ao team Mussulo 40. Estamos muito orgulhosos do esforço feito pelo comandante José Guilherme e pelo Leonardo Chicourel para completar a prova em tempo recorde. A Cape2Rio e as adversidades que apresenta aos velejadores servem como um teste de habilidade e estratégia que oferece muitas lições sobre trabalho em equipe e perseverança ao longo do caminho “, diz Antonio Nunes, CEO da multinacional de telecomunicações.

A Angola Cables também patrocina dois velejadores do Clube Náutico de Luanda, que recentemente participaram do Campeonato Africano de Vela em Luanda. “A vela é uma modalidade desportiva que envolve estratégias intensas, exige estar preparado para qualquer eventualidade e responder rapidamente às mudanças no ambiente; muito parecido com o nosso negócio. Existem ainda outros paralelos, como o fato de ser praticada à base de água e de termos milhares de quilómetros de cabos de fibra óptica no fundo do mar como parte da criação de redes intercontinentais de alta velocidade”, conclui António Nunes.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>