Sobre as Águas

Yacht Club Paulista é campeão brasileiro de Flash 165

Antonio Alonso

16/10/2017 14h58

Dupla do YCP, Paulo Baz e João Toledo, conduz o Cielo e Mare rumo ao título na Guarapiranga (Ricardo Amatucci / Almanáutica)

Os velejadores Paulo Baz e João Toledo, representantes do Yacht Club Paulista, conquistaram neste domingo (15/10) o Campeonato Brasileiro da Classe Flash 165, organizado pelo Yacht Club Santo Amaro. Com o barco Cielo e Mare, a dupla do YCP fez uma campanha de recuperação para chegar ao título, vencendo as três últimas regatas na Represa Guarapiranga.

Os campeões obtiveram a expressiva marca de quatro vitórias em oito regatas e terminaram a competição com 14 pontos perdidos, mesma pontuação dos vice-campeões, porém, com duas vitórias a mais do que Sebastião Alves e Paulo Patti, do YCSA/Pera Náutica, com o barco Zinhos. Agustin Basso e Lami Buccolo, também do YCSA, completaram o pódio com a embarcação Imagine.

No domingo decisivo, o vento sul que trouxe a frente fria entrou na represa com rajadas de 15 nós, quase 30 km/h, o que ajudou a impulsionar o Cielo e Mare rumo ao título entre os oito barcos. “O vento forte nos favoreceu. Até sábado estávamos em segundo lugar e só a vitória nos daria o título. Velejamos de forma consistente e vencemos”, afirmou o timoneiro Paulo Baz.

O Cielo e Mare vinha de dois vice-campeonatos: Brasileiro em 2016 e Paulista em 2017. O título veio após a parceria firmada entre YCP e Flash Club, dirigido por Paulo Fax. “Estamos aproveitando a completa estrutura do YCP, onde passamos a deixar o barco. Fomos muito bem recebidos por marinheiros, velejadores e diretoria. O investimento em treino e equipamentos também foi recompensado”, comemorou Paulo Baz.

Sudeste Brasileiro de Laser – A movimentação durante o feriado prolongado foi intensa nas raias da Guarapiranga, que também recebeu o Campeonato Brasileiro Sudeste da Classe Laser, com sede no Yacht Clube Paulista. Os 33 barcos de São Paulo, São Sebastião e Vitória (ES) correram oito regatas em quatro dias, com destaque para Stefano Mazzaferro, (YCSA), campeão na categoria Standard.

Mazzaferro obteve cinco vitórias, contra duas do vice-campeão, o velejador olímpico chileno Felipe Echenique. O bronze ficou com Stephan Kunath, com os três degraus do pódio ocupados pelo YCSA. Na Laser Radial, vitória de Felipe Fonseca (YCSA), seguido por Jayme de Paula Jr. (YCP) e Guilherme Marciani (Ventos & Velas – São Sebastião).

A capixaba Julietty Tesch foi absoluta na Laser 4.7. A tetracampeã brasileira venceu as seis primeiras regatas e descartou as duas últimas. Micael Cruz (Ventos & Velas) e Aleksandros Motta (YCSA) completaram o pódio. “Gosto muito da variação de ventos na represa. O resultado é efeito de um trabalho intenso com nutricionista, preparação física e treinamento funcional. O ano está sendo muito bom”, enfatizou Julietty, que já havia sido terceira colocada no Campeonato Carioca entre mais de 20 barcos.

Campeonato Brasileiro de Flash 165

1 – Cielo e Mare – Paulo Baz/João Toledo (YCP) – 14 pontos perdidos
2 – Zinhos – Sebastião Alves/Paulo Patti (Pera/YCSA) – 14 pp
3 – Imagine – Agustin Basso/Lami Buccolo (YCSA) – 24 pp

Sudeste Brasileiro de Laser

Laser Standard
1 – Stefano Mazzaferro (YCSA) – 7 pontos perdidos
2 – Felipe Echenique (YCSA) – 11 pp
3 – Stephan Kunath (YCSA) – 21 pp

Laser Radial 
1 – Felipe Fonseca (YCSA) – 10 pp
2 – Jayme de Paula (YCP) – 13 pp
3 – Guilherme Marciani (V&V) – 20 pp

Laser 4.7
1 – Juliétty Tesch (Vitória-ES) – 6 pp
2 – Micael Cruz (V&V) – 13 pp
3 – Aleksandros Motta (YCSA) – 13 pp

Sobre o Autor

Antonio Alonso Jr é capitão amador e cobre esporte há 15 anos, com passagens pela Folha de S.Paulo e por um UOL ainda em seus primeiros anos de vida. Jornalista e formado também em Esporte teve a excêntrica ideia de se dedicar à cobertura náutica, com enfoque para a Vela. Depois de oito anos na principal revista especializada do país, estreia seu blog em novo endereço no UOL.

Sobre o Blog

A vela é o exemplo claro de que o sucesso de um esporte não se mede em medalhas. Ela foi o esporte que mais medalhas Olímpicas deu ao Brasil. Ainda assim, é um esporte desconhecido, com enorme dificuldade de atrair público e restrito a guetos idílicos. Este blog não está interessado em resolver esse problema, mas em trazer mais para perto esse esporte excêntrico, complicado talvez, mas cheio de matizes empolgantes e que coloca atletas e meio-ambiente numa simbiose singular no mundo esportivo. Bem-vindo a bordo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Topo