Sobre as Águas

Curiosidades da Volvo Ocean Race

Antonio Alonso

13/10/2017 06h24

Enquanto a regata não começa, aqui listamos alguns fatos da Volvo Ocean Race

 

Dois membros da tripulação atuarão como médicos de bordo, treinados para limpar as vias aéreas, aplicar molduras e moldes de gesso, realizar a sutura da pele, inserir fluídos intravenosos e  odontologia.

Cerca de 1.000 pessoas trabalham na regata, incluindo organização, equipes, cidades anfitriãs e partes interessadas.

A tripulação segue ciclos de três ou quatro horas, conhecidos como sistemas de turnos – dependendo do número de tripulantes a bordo. Mas isso não significa que a equipe não será interrompida quando estiver fora do serviço – qualquer mudança ou manobra de vela importante pode exigir toda a tripulação no convés.

Os velejadores queimam de 5.000 a 6.000 calorias por dia. Mesmo assim, os atletas relataram perder até 11kg em apenas uma perna da regata. A dieta consiste principalmente em refeições liofilizadas, altamente caloricas, mais lanches regulares e aumento de vitaminas.

A máquina que fabrica água a bordo pode produzir 50 litros de água potável por dia – se quebrar, pode ser um problema sério se a equipe não puder repará-lo. Somente a chuva dá o luxo de tomar um banho.

A altura máxima de onda registrada na regata foi na edição 2011-12 com 16,3 metros, registrada pelo CAMPER durante a primeira etapa para a Cidade do Cabo.

A velocidade máxima do vento registrada na #volvooceanrace foi de 70 nós (força do furacão) no Oceano Austral em 2011-12.

Sobre o Autor

Antonio Alonso Jr é capitão amador e cobre esporte há 15 anos, com passagens pela Folha de S.Paulo e por um UOL ainda em seus primeiros anos de vida. Jornalista e formado também em Esporte teve a excêntrica ideia de se dedicar à cobertura náutica, com enfoque para a Vela. Depois de oito anos na principal revista especializada do país, estreia seu blog em novo endereço no UOL.

Sobre o Blog

A vela é o exemplo claro de que o sucesso de um esporte não se mede em medalhas. Ela foi o esporte que mais medalhas Olímpicas deu ao Brasil. Ainda assim, é um esporte desconhecido, com enorme dificuldade de atrair público e restrito a guetos idílicos. Este blog não está interessado em resolver esse problema, mas em trazer mais para perto esse esporte excêntrico, complicado talvez, mas cheio de matizes empolgantes e que coloca atletas e meio-ambiente numa simbiose singular no mundo esportivo. Bem-vindo a bordo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Blog Sobre as Águas
Topo