Sobre as Águas

Arquivo : novembro 2016

Scheidt vence na abertura da SSL Finals nas Bahamas
Comentários Comente

Antonio Alonso

Scheidt e Maguila na frente (Martinez Studio / SSL)

Scheidt e Maguila na frente (Martinez Studio / SSL)

Campeão da primeira edição da Star Sailors League Finals em 2013, também nas Bahamas, Scheidt venceu a primeira das 11 regatas previstas para a fase de classificação e obteve a sétima colocação na segunda prova, vencida pela dupla francesa Rohart/Ponsot. Com oito pontos perdidos, Scheidt e Maguila estão em terceiro lugar, atrás dos líderes Negri e Lambertenghi (ITA), com cinco pontos e de Mendelblat e Fatih (EUA), que somam seis pontos. Mais três ou quatro regatas devem ser disputadas nesta quarta-feira (30) a partir das 14h de Brasília, com transmissão ao vivo no www.finals.starsailors.com

A quarta edição consecutiva da Star Sailors League Finals em Nassau confirmou a incrível qualidade da flotilha, com nada menos que 16 medalhas olímpicos na raia. O vento leste consistente dos últimos dias e o mar agitado compuseram o cenário na Baía de Montagu, com sol e calor. A velocidade do vento variou entre 10 a 15 nós (18 a 28 km/h), oscilando em cerca de 25 graus. Torben Grael e Guilherme de Almeida não tiveram um dia bom. Ocupam a 24ª e penúltima colocação.

O líder Diego Negri comemorou o desempenho. “Foi um grande dia, com mudanças de vento e muitas ondas. Tivemos um bom começo na primeira regata e estávamos mais à esquerda da raia, lutamos entre os cinco primeiros e acabamos em terceiro lugar. Na segunda largada, o vento aumentou um pouco, decidimos começar mais no meio da flotilha. Depois de muita briga aproveitamos o vento em popa para cruzarmos em segundo lugar”, analisou o timoneiro italiano.

De volta à classe Star após a campanha olímpica na Laser, Scheidt estava satisfeito com o trabalho do primeiro dia em Nassau. “Velejamos muito bem apesar das pressões do Mendelblat e do Negri. Na segunda regata vacilamos taticamente no primeiro contravento, mas o objetivo desta fase é nos mantermos entre os dez primeiros para garantirmos vaga nas quartas de final”, considerou Scheidt.

Zarif e Prada em terceiro – Na segunda regata a marca de contravento teve de ser ajustada para acomodar a variação do vento. As duplas tiveram de rever suas táticas de largada. Os vencedores do SSL City Grand Slam de Hamburgo (ALE), Xavier Rohart e Pierre-Alexis Ponsot (FRA) mostraram habilidades para se adequar ao giro do vento e venceram a regata, à frente de Negri e Lambertenghi. Jorge Zarif e Bruno Prada velejaram com inteligência a favor do vento para cruzar a linha de chegada em terceiro lugar.

Nos cinco dias da SSL Finals haverá transmissão ao vivo na Internet com comentários de especialistas e de convidados especiais, incluindo Dennis Conner, quatro vezes vencedor da America’s Cup e o medalhista de prata nos Jogos de Londres em 2012, Luke Patience. Na água, a mais recente tecnologia em câmera de alta definição, bem como Virtual Eye 3D Graphics, garantem emoção e completa visualização da raia aos fãs da vela.

 
Classificação após duas regatas

1. Negri/Lambertenghi (ITA) – 5 pontos perdidos
2. Mendelblat/Fatih (USA) – 6 pp
3. Scheidt/Maguila (BRA) – 8 pp
4. Polgar/Koy (ALE) – 9 pp
5. Zarif/Prada (BRA) – 10 pp
6. Rohart/Ponsot (FRA) – 11 pp
7. Christensen/Milrie (DEN) – 12 pp
8. Olezza/Melo (ARG/POR) – 18 pp
9. Kuznierewicz/Zycki (POL) – 25 pp
10. Fantela/Arapovic (CRO) – 25 pp


Casa do Governo das Bahamas dá a largada para Star Sailors League Finals
Comentários Comente

Antonio Alonso

SSL - Treino 2016

Scheidt e Torben treinam em Nassau (Marc Roulier / SSL)

A fase de classificação da Star Sailors League (SSL) Finals começa nesta terça-feira (29) com sede no Nassau Yacht Club, nas Bahamas, pelo quarto ano consecutivo, após abertura oficial do evento na Casa do Governo das Bahamas. São 25 tripulações reunindo os melhores velejadores do mundo, não apenas da classe Star, considerada a mais nobre entre os monotipos. Os três medalhistas olímpicos da Laser nos Jogos Rio 2016 competem na SSL Finals com premiação de 200 mil dólares e transmissão ao vivo pela internet (www.finals.starsailors.com) a partir das 16h de Brasília (13h local).

Apenas o Brasil, terá 12 medalhas olímpicas na raia com as cinco de Robert Scheidt e de Torben Grael, mais duas de Bruno Prada. Seus respectivos parceiros são: Henry Boening (Maguila), Guilherme de Almeida (Madá) e Jorge Zarif. Nesta quarta edição do SSL Finals, todos os vencedores dos eventos SSL estarão presentes: George Szabo (EUA) ganhou o SSL Lake Grand Slam em Grandson, Suíça, e a SSL Finals em 2015; Robert Scheidt venceu a primeira edição da SSL Finals em 2013; Mark Mendelblatt (EUA) ganhou em 2014; Xavier Rohart (FRA) foi campeão no primeira SSL City Grand Slam em Hamburgo, Alemanha, em maio deste ano.

Além dos brasileiros, mais heróis da vela competem em Nassau: Jochen Shümann (ALE) com três ouros olímpicos e uma prata nas classes Finn e Soling mais dois títulos de America’s Cup; Mateusz Kusznierewicz (POL), um ouro e um bronze olímpico na Finn; Paul Cayard (EUA), campeão mundial de Star e vencedor da Louis Vuitton Cup e Volvo Ocean Race; o presidente da SSL Xavier Rohart (FRA), bronze na Star em Atenas. O croata Sime Fantela, ouro na 470 nos Jogos Rio 2016, também está entre os campeões.

Cerimônia de abertura na Casa do Governo das Bahamas – As cortinas se abriram oficialmente para a SSL Finals nesta segunda-feira (28) na Casa do Governo das Bahamas, em Nassau, na presença de Sua Excelência, Dama Marguerite Matilda Pindling. Uma delegação de 20 representantes da SSL se reuniu com o Governador Geral em “Chamada de Cortesia”. As 25 duplas foram apresentadas para 300 convidados.

É a primeira vez que a Star Sailors League e a Secretaria de Regata do Ministério da Agricultura e Recursos Marinhos das Bahamas trabalham em conjunto com o objetivo de aproximar os campeões da SSL dos velejadores locais e dos barcos a vela típicos da região. No domingo (4) será organizada a “Best of The Best Regatta, depois de conhecidos os vencedores da SSL Finals 2016.

A SSL desenvolveu um novo formato de corrida em colaboração com alguns dos velejadores mais experientes e qualificados do mundo. A ideia principal é criar pressão sobre os atletas e levar emoção ao público pela internet, garantindo ao mesmo tempo que a competição mantenha a essência da vela, em relação à técnica e à tática. As 25 tripulações correm 11 regatas, todos contra todos, de terça a sexta-feira. No sábado, as dez mais bem classificadas disputam quartas de final, semifinal e final em formato eliminatório.
16 Medalhistas olímpicos 
Jochen Schümann (3 ouros e 1 prata) – ALE
Torben Grael (2 ouros, 1 prata, 2 bronzes, 1VOR e 1 LVC) – BRA
Robert Scheidt (2 ouros, 2 pratas e 1 bronze) – BRA
Mateusz Kusznierewicz (1 ouro e 1 bronze) – POL
Sime Fantela (1 ouro) – CRO
Tom Burton (1 ouro) – AUS
Vasilij Zbogar (2 pratas e 1 bronze) – SLO
Xavier Rohart (1 bronze) – FRA
Jonas Høgh-Christensen (1 prata) – DEN
Bruno Prada (1 prata e 1 bronze) – BRA
Pascal Rambeau (1 bronze) – FRA
Ingo Borkowski (1 prata) – ALE
Tonci Stipanovic (1 prata) – CRO
Caleb Paine (1 bronze) – EUA
Sam Meech (1 bronze) – NZL
Craig Monk (1 bronze e 2 America’s Cup) – NZL

Campeões mundiais de Star 
Robert Scheidt – BRA
Bruno Prada – BRA
Paul Cayard – EUA
Robert Stanjek – ALE
George Szabo – EUA
Augie Diaz – EUA

Campeões europeus ou norte-americanos de Star 
Johannes Polgar – GBR
Diego Negri – ITA
Mark Mendelblatt – EUA
Hubert Merkelbach – ALE


SSL Finals: medalhistas olímpicos competem nas Bahamas
Comentários Comente

Antonio Alonso

Xavier Rohart (e Ponsot): francês lidera ranking da SSL (Marc Roullier / SSL)

Xavier Rohart (e Ponsot): francês lidera ranking da SSL (Marc Roullier / SSL)

O Nassau Yacht Club (NYC) vai reunir nos próximos dias o maior número de medalhistas olímpicos da Star Sailors League (SSL) Finals, disputada desde 2013 nas Bahamas. A competição deste ano receberá 25 duplas de 17 países e oferecerá premiação geral de U$ 200.000. O nível dos participantes é surpreendente. A lista de inscritos inclui 16 medalhistas olímpicos, além de campeões mundiais e vencedores da Volvo Ocean Race, America’s Cup e Louis Vuitton Cup. Um desfile de astros da vela na Baía de Montagu.

As regatas da fase de classificação estão previstas entre 29 de novembro e 02 de dezembro. As dez duplas mais bem colocadas seguem adiante. O sábado (03/12) está reservado para as etapas eliminatórias: quartas de final, semifinal e a decisão, que terá quatro barcos brigando por três lugares no pódio. A SSL leva anualmente a Nassau os melhores timoneiros e proeiros do ranking da temporada. O critério de 2016 classificou diretamente os doze primeiros de ambos os rankings, enquanto mais 13 duplas entre as melhores do mundo na classe Star, receberam convites vip.

O Brasil contará com três duplas às Bahamas. Donos de cinco medalhas olímpicas, Robert Scheidt e Torben Grael terão como proeiros, Henry Boening (Maguila) e Guilherme de Almeida (Madá). Também medalhista, Bruno Prada correrá ao lado de Jorge Zarif. A Alemanha terá Jochen Schümann, três ouros e uma prata em Jogos Olímpicos nas classes Finn e Soling e mais duas vitórias na America’s Cup pelo time suíço Alinghi. Paul Cayard, dos Estados Unidos, competirá como campeão mundial de Star, vencedor da Whitbread Volta ao Mundo e da Louis Vuitton Cup.

A SSL Finals 2016 será impulsionada ainda pelos Jogos Olímpicos Rio 2016. O croata Sime Fantela, ouro na classe 470 é presença confirmada. O pódio da Laser também estará completo em Nassau, com o australiano Tom Burton, medalha de ouro; o croata Tonci Stipanovic, ganhador da prata e o neozelandês Sam Meech, com o bronze. O francês Xavier Rohart, vencedor do SSL City Grand Slam de Hamburgo (ALE) em maio e líder do ranking dos proeiros é uma das atrações, assim como o vice-líder George Szabo (EUA), ganhador do SSL Lake Grand Slam da Suíça, em 2015.

Emoção ao vivo – A Star Sailors League desenvolveu em cooperação com os velejadores mais experientes do mundo um novo formato de regatas, com objetivo principal de acirrar a disputa na água e levar emoção aos fãs da vela. Os atletas acreditam que o regulamento da SSL garante a adrenalina sem comprometer a essência do esporte. A introdução de um sistema eliminatório inspirado nos tradicionais playoffs das demais modalidades ajuda a aumentar a pressão sobre as tripulações e valorizar o clímax da regata final.

A SSL atende o público presente em todas as partes do globo, transformando a raia de regatas em um estádio da vela nas transmissões ao vivo e grátis, de 29 de novembro a 03 de dezembro. Em 2015, mais de 100 mil fãs acompanharam a SSL Finals ao vivo pela internet diretamente de Nassau. As regatas são transmitidas na íntegra, com telemetria completa dos barcos pelo sistema de rastreamento Virtual Eye. Os torcedores “da poltrona” poderão competir também e testar suas habilidades náuticas na Regatta Virtual.


Copa Yacht Club Paulista encerra temporada com Medal Race
Comentários Comente

Antonio Alonso

Força da classe Snipe na Guarapiranga (Luhan Grolla/YCP)

Força da classe Snipe na Guarapiranga (Luhan Grolla/YCP)

Antes mesmo de a Copa YCP encerrar a temporada, os números revelam a importância da iniciativa do Yacht Club Paulista (YCP) para a vela de São Paulo. Ao longo das nove etapas de 2016, a Represa Guarapiranga terá recebido mais de 400 velejadores distribuídos em 180 barcos de 20 classes. Entre as acirradas disputas na raia e as tradicionais confraternazaaões no YCP, os atletas terão consumido 420 quilos de alimentos e recebido 360 medalhas.

A novidade para este sábado (26), último dia da Copa YCP, é o regulamento que prevê regatas no estilo Medal Race, ou seja, com pontuação dobrada tanto para a competição quanto para o ranking anual da Fevesp (Federação de Vela do Estado de São Paulo). Os líderes das classes mais numerosas devem confirmar o título neste sábado: YCP Sailing Team Pajero – André Fonseca (HPE 25), Ricardo Valério – YCP (Finn), André Frimm – CCSP (Laser Radial), André Schwarz – YCSA (Laser Standart), Caio Prado e Carlos Ney Ribeiro – YCSA (Snipe), Fábio Bodra e Henrique Cabette – YCSA (Star).

O sucesso da Copa YCP se deve principalmente ao objetivo proposto a todos os clubes em torno da Guarapiranga. “A ideia era de juntarmos na mesma raia os iniciantes da vela e velejadores já consagrados como, André Fonseca (Bochecha), Eduardo Souza Ramos, Marcelo Bellotti, Martin Lowy. Vimos que os mais experientes motivaram os mais novos e a vela se fortaleceu na represa. Classes como Laser e Snipe alinharam regularmente cerca de 20 barcos nas largadas de cada etapa”, comemora o diretor de Vela do YCP, Alberto Hackerott, também velejador de Snipe.

AR/IR: http://CopaYCP.AR.RaceFinder.net

 

Acampamento de Férias Náutico – As férias escolares podem começar de forma divertida e instrutiva. Entre os dias 14 e 17 de dezembro o YCP em parceria com a Escola de Vela Infantil (CIP) e Dick Sail, promoverá atividades monitoradas na água e em terra com pernoite opcional. O objetivo do acampamento de vela infantil é levar as crianças a trocarem o smartphone pela natureza, com total segurança. As aulas práticas serão em veleiros das classes Optimist e Dingue. A Dick Sail, com 30 anos de experiência, já formou mais de 3.000 velejadores.
Mais informações: https://cipaulista.wordpress.com/2016/11/16/camp-dez-2016/

Programação da 9ª Etapa da Copa YCP (26/11)

13h: Início das regatas decisivas (Medal Race)
18h: Coquetel na Sede Social do YCP*
19h: Premiações da 8ª Etapa, do Ranking Anual e da Copa Joerg Bruder
20h: Jantar na Sede Social do YCP*
21h: Sorteio de brindes dos patrocinadores (Regatta, North Sails, Carretas Náuticas Gagliotti e Jornal Almanáutica)
22h: Balada com DJ Reginaldo Pignatari

*convites avulsos


Classe C30 parte para a decisão em Ilhabela
Comentários Comente

Antonio Alonso

DSC_9764

A classe C30 mostrou ao longo da temporada de vela oceânica equilíbrio nas disputas nacionais, com a flotilha distribuída no litoral norte paulista e em Florianópolis. O Circuito Ilhabela comprova a competitividade entre as tripulações apesar de o Caiçara ter adquirido vantagem de 12 pontos sobre o segundo colocado, Caballo Loco, após dominar a terceira etapa da Copa Suzuki em setembro no Canal de São Sebastião.

Com dez vitórias em 28 regatas, o Caiçara do comandante Marcos de Oliveira Cesar pode garantir o título neste final de semana (26 e 27) por antecipação. A regata final de 2016, a tradicional Volta à Ilhabela – Sir Peter Blake, está prevista para 03 de dezembro. “Eu não gosto de falar em superioridade e nem de otimismo exagerado. Não fizemos nenhum treino depois da terceira etapa. Claro que gostaríamos de decidir o campeonato o mais rápido possível, mas a ordem a bordo é: respeitar os adversários”, afirma Marcos Cesar.

A previsão para o fim de semana em Ilhabela é de vento leste entre 11 e 13 nós (20 a 25 km/h) e temperatura em torno de 24°C no período da tarde, com tempo aberto. “O ideal para nós seria um vento mais forte. Sabemos administrar melhor o barco nessa condição, mas como estamos há dois meses sem velejar, é preciso cautela. A vantagem do Caiçara é segura, porém, não é definitiva”, lembra o comandante Marcos, atual campeão do Circuito Ilhabela.

O vice-líder Caballo Loco, comandado por Mauro Dottori, obteve oito vitórias nas três etapas anteriores, contra seis do +Realizado, três do Barracuda e uma do Kaikias. “Como o próprio nome já diz, o Caballo Loco sempre foi muito competitivo. Vamos colocar as ferraduras e partir para cima deles”, comenta Dottori com bom humor.”Nós vamos atacar e eles (Caiçara) irão se defender, mas a briga pelo segundo lugar está aberta e também será muito boa”, espera o comandante do Caballo Loco.

Além da C30, a Copa Suzuki, organizada pelo Yacht Club de Ilhabela (YCI), reúne as classes RGS, HPE 25, HPE 30, ORC e IRC. As primeiras regatas do dia têm largada prevista ao meio-dia. A classe C30 deve correr neste fim de semana entre quatro e seis provas, dependendo do vento. A quarta e decisiva etapa do Circuito Ilhabela é a última competição oficial da C30 antes da abertura do Campeonato Brasileiro de 2017, em fevereiro, em Florianópolis. A outra etapa será em julho, na Semana de Vela de Ilhabela.
Classificação após três etapas, com 28 regatas (seis descartes)

1. Caiçara (Marcos de Oliveira Cesar): 38 pontos perdidos
2. Caballo Loco (Mauro Dottori): 50 pp
3. +Realizado (José Luiz Apud): 56 pp
4. Barracuda (Humberto Diniz): 67 pp
5. Kaikias (Felipe Echenique): 72 pp


Ben Ainslie larga na frente na America’s Cup
Comentários Comente

Antonio Alonso

m2374_rp161118-lvacwsfd0-5515b

O Land Rover BAR venceu a Louis Vuitton America’s Cup World Series e saiu com vantagem para tentar ser o desafiante ao trono do ORACLE Team USA na competição mais antiga do mundo. A equipe inglesa ganhou pontos de bônus, que serão usados na próxima fase, que define a equipe adversária dos americanos. A etapa será nas Bermudas, no ano que vem, antes do match race final. O multicampeão olímpico Ben Ainslie é o comandante do barco, que teve o melhor desempenho em todas as etapas. A última foi disputada nesse fim de semana em Fukuoka, no Japão

Clique aqui para baixar o vídeo

CLASSIFICAÇÃO GERAL

1. Land Rover BAR — 512

2. ORACLE TEAM USA — 493

3. Emirates Team New Zealand — 485

4. Artemis Racing — 466

5. SoftBank Team Japan — 460

6. Groupama Team France — 419


Experiente velejador abandona a Vandée Globe
Comentários Comente

Antonio Alonso

vandeé globe

O francês Bertrand de Broc abandonou a Vandée Globe, volta ao mundo em solitário. A decisão ocorreu neste sábado (19) em águas brasileiras. O velejador tentou arrumar um problema em seu barco – chamado de MACSF – em Fernando de Noronha, mas não conseguiu. Ele chegou até a mergulhar para ver o casco, que ficou bastante danificado após uma colisão ainda no início da regata. Segundo o velejador, ficaria muito difícil passar pelo Oceano Antártico nessas condições. “Tomar essa decisão foi muito difícil, mas inevitável. Estou desapontado”, disse de Broc.

O líder provisório da Vendée Globe é o inglês Alex Thomson com seu 60 pés Hugo Boss. Os velejadores deixaram a França no início de novembro para uma navegação ao redor do globo sem assistência e sem escalas. A flotilha passa pelo litoral brasileiro.


Estadual do Rio de Janeiro dá ainda mais força à classe Star
Comentários Comente

Antonio Alonso

campeonato estadual de star 2016

O Campeonato Estadual do Rio de Janeiro de Star 2016 foi vencido pela dupla Lars Grael e Samuel Gonçalves, após uma disputa acirrada com Jorge Zarif e Bruno Prada pelo título. Foram realizadas sete regatas na Baía de Guanabara entre os dias 12 e 15 de novembro e a diferença do campeão para o vice foi de apenas dois pontos. A competição contou com 18 duplas. O Estadual de Star ocorreu na Marina da Glória, sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016.

”A raia de regata foi perto da Ponte Rio Niterói, lugar pouco usado para fazer barla-sota, portanto o nível de dificuldade estava igual para todos, pois ninguém tinha prática de velejar naquela região. Foram dias de regata com ventos médios e fortes. Estamos muito felizes por termos ganho esse campeonato, pois o nível dos competidores estava muito alto, como Alan Adler, Jorge Zarif e Bruno Prada”, disse Samuel Gonçalves, proeiro de Lars Grael. A dupla venceu três das sete regatas e não ficou nenhuma prova acima do terceiro lugar. Um descarte foi usado por todas as equipes.

A classe Star não está no calendário olímpico, mas os principais velejadores do País e até do mundo continuam a prestigiar as regatas da categoria. O número de atletas aumentou nos últimos anos. ”A classe Star está mais viva do que nunca. No Rio de Janeiro estamos revivendo as origens da categoria, e nossos amigos paulistas estão trazendo a renovação com um grupo jovem e muito ativo. Além disso, nosso presidente da ISCYRA, Lars Grael, tem feito um excelente trabalho. Espero que em um futuro breve possamos trazer etapas da Star Sailors League ao Brasil. É, sem duvida, o futuro da classe”, disse Francisco Siemsen, velejador de Star e organizador do evento.

Francisco Siemsen continuou: ”A vela é um dos únicos esportes em que amadores e profissionais dividem o mesmo espaço. Poder competir em alto nível com os ídolos. É, sem duvida, especial. A Marina da Gloria está muito melhor após as olimpíadas. Foi possível ter um gostinho do que os atletas olímpicos viveram. Espero que possamos ter mais experiências como essa”.

Classificação final:
Ouro – Lars Grael/Samuel Gonçalves – 8 pontos
Prata – Jorge Zarif/Bruno Prada – 10 pontos
Bronze – Alan Adler/Arthur Lopes – 16 pontos

O evento contou com o patrocínio da BR MARINAS e apoio da MR. CAT e WINE.COM.BR

Fotos: Gustavo Cabelo

299472_658841_089img_9797_bygustavocabelo

299472_658916_001img_8627_bygustavocabelo

299472_658838_051img_9655_bygustavocabelo

299472_658912_006img_9460_bygustavocabelo

299472_658837_040img_9578_bygustavocabelo

299472_658917_003img_0016_bygustavocabelo

299472_658833_106img_9854_bygustavocabelo

299472_658913_019img_9621_bygustavocabelo__1_

299472_658836_010img_9430_bygustavocabelo

299472_658839_066img_9709_bygustavocabelo

299472_658915_017img_9615_bygustavocabelo

299472_658835_032img_9539_bygustavocabelo

299472_658840_077img_9757_bygustavocabelo


Alinghi ganha Extreme Sailing 2016
Comentários Comente

Antonio Alonso

O barco suíço Alinghi venceu a edição 2016 da Extreme Sailing Series em uma disputa emocionante contra os árabes do Oman Air. Na etapa final, em Sydney, na Austrália, a tripulação de Arnaud Psarofaghis levou a melhor e ficou com a taça. Foram oito etapas disputadas em três continentes. O Brasil não sediou nenhuma parada.

Esta é a terceira vez que o Alinghi vence a Extreme Sailing Series, depois de suas vitórias em 2008 e 2014. porém, foi a primeira com os voadores catamarãs GC32.

Classificação da Extreme Sailing Series™ 2016
1 Alinghi (SUI) 101 pontos.
2 Oman Air (OMA) 99
3 Red Bull Sailing Team (AUT) 91
4 SAP Extreme Sailing Team (DIN) 83
5 Land Rover BAR Academy (GBR) 70
6 Visit Madeira (POR) 63
7 CHINA One (CHN) 29
8 Team Turx (TUR) 11


Estadual de Star 2016: Marina da Glória recebe 1ª regata após Rio 2016
Comentários Comente

Antonio Alonso

Foto: Fernando Mucci/Fotop

Foto: Fernando Mucci/Fotop

O Campeonato Estadual do Rio de Janeiro de Star 2016 levará de volta à Marina da Glória o clima de competição em alto nível dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016, disputados no local. De 12 a 15 de novembro, o evento contará com os melhores velejadores da categoria, como Bruno Prada (medalhista olímpico, tetracampeão mundial e líder no ranking mundial de proeiros), Lars Grael (campeão Mundial e medalhista olímpico), Alan Adler (campeão mundial e medalhista Pan-Americano) e Jorge Zarif (campeão mundial de Finn e atleta olímpico).

“Embora a classe Star não seja mais uma modalidade olímpica, ainda é considerada a mais tradicional da vela mundial, sendo famosa por abrigar os principais nomes da modalidade. Depois de tantas medalhas e alegrias olímpicas dadas aos brasileiros, nada mais justo do que ser a primeira protagonista no palco da Rio 2016. A Marina da Glória nos recebeu de braços abertos, no melhor estilo carioca”, disse Francisco Siemsen, velejador de Star e organizador do evento.

São esperados 20 barcos na Marina da Glória. As regatas começam no sábado (12) e a comissão organizadora deve fazer de duas a três provas por dia, dependendo das condições climática previstas para a Baia de Guanabara no período.

O evento conta com o patrocínio da BR MARINAS e apoio da MR. CAT e WINE.COM.BR