Sobre as Águas

Arquivo : março 2016

Novo CEO da Volvo Ocean Race é o britânico Mark Turner
Comentários Comente

Antonio Alonso

 

Mark Turner - Foto: Ainhoa Sanchez /Volvo Ocean Race

O britânico Mark Turner, uma dos nomes mais respeitados do cenário da vela mundial, foi nomeado CEO da Volvo Ocean Race. O executivo especializado em vela assume o cargo após 23 anos no comando da empresa de esporte global e marketing OC Sports.

– Turner ocupará o cargo a partir de junho
– Tem experiência na vela, além de gerenciamento e marketing
– “Enorme” responsabilidade de substituir Frostad, diz Turner
– “Eu quero envolver mais fãs, velejadores e patrocinadores”

ALICANTE, Espanha, 31 de março de 2016 – O britânico Mark Turner, uma dos nomes mais respeitados do cenário da vela mundial, foi nomeado CEO da Volvo Ocean Race. O executivo especializado em vela assume o cargo após 23 anos no comando da empresa de esporte global e marketing OC Sports.

O britânico, que competiu no principal evento de vela oceânica como atleta e chefiou na edição passada o barco chinês Dongfeng Race Team, entra no lugar de Knut Frostad a partir de 7 de junho deste ano.

Contente com a nomeação, MikeTurner, que tem 48 anos, disse que provavelmente não existe qualquer outro cargo na vela que o atraia mais depois de conduzir a OC Sport em muitas áreas diferentes do esporte ao longo dos anos.

“É uma responsabilidade significativa assumir a vaga de Knut Frostad, que fez um excelente trabalho de transformação da regata. Hoje a Volvo Ocean Race tem um nível muito maior e mais viável comercialmente. A regata tem a maior presença global tanto em termos business-to-business, nos meios de comunicação, além de levar uma fascinante história desde 1973. É uma enorme responsabilidade’’.

Mark Turner emendou: ‘’Quero somar! Agregar valor e visão ao trabalho da excelente equipe já existente em Alicante, e inspirar e envolver no futuro mais fãs, velejadores e patrocinadores.”

Henry Stenson, Presidente do Conselho da Volvo Ocean Race, disse estar satisfeito com a nomeação. “Tem sido um processo longo e profundo, mas eu sei que encontramos a pessoa certa para assumir este papel muito desafiador”.

“Nós precisamos de um profissional com a experiência, determinação e visão para levar o evento para a próxima edição, depois de todo o grande trabalho feito por Knut Frostad. Mark Tuner tem todos essas qualidades de sobra. Sob seu comando, o futuro parece, de fato, muito emocionante”.

Turner participou dos principais eventos esportivos, incluindo a Transat Jacques Vabre e a Mini Transat, mas realmente fez seu nome no esporte por ter dirigido a campanha bem-sucedida na regata Vendée Globe com a britânica Ellen MacArthur em 2001. A atleta terminou em segundo lugar a volta ao mundo em solitário.

Em seguida, o novo CEO da Volvo Ocean Race supervisionou a navegadora na quebra do recorde mundial de circum-navegação em solitário em 2005, levando a modalidade para um público mais amplo.

Turner lançou a Extreme Sailing Series com a OC Sport, assim como muitos outros eventos de aventura. “Meu trabalho na OC Sport está agora terminando, mas tenho a certeza de que o espírito e as realizações continuarão com a forte equipe que estou deixando. Foi uma honra trabalhar com tantas pessoas motivadas e talentosas ao longo dos anos, e por ter sido capaz de usar as plataformas esportivas que nós criamos para inspirar as pessoas de todas as esferas da vida’’.

“A OC Sport me permitiu inovar em muitas áreas – algo que eu tenho certeza que a empresa vai continua a fazer.”

Turner, que também é um ciclista e esquiador, vai agora ter um período de licença antes de assumir suas novas responsabilidades com a regata, A 13ª edição da Volvo Ocean Race será disputada entre 2017 e 18, começando em outubro do próximo ano.

Biografia

Nasceu em 1967, em Isle of Wight, Inglaterra
1985-1990 – Tenente, Oficial-marinheiro, Royal Navy
1989-1990 – Competiu na Whitbread Round da World Race no Defender
1989-1992 – Diretor de Marketing na Winning Winches
1992-1998 – Diretor de Marketing na Spinlock
1993-2016 – Presidente Executivo da OC Sport
Junho de 2016 – CEO da Volvo Ocean Race

Foto: Ainhoa Sanchez /Volvo Ocean Race


Caballo Loco atropela e vence no Circuito Ilhabela de vela oceânica
Comentários Comente

Antonio Alonso

 

Tripulação do Caballo Loco

Tripulação do Caballo Loco

O barco da classe C30, Caballo Loco, de Ubatuba, reagiu nas últimas regatas para vencer por apenas um ponto a primeira das quatro etapas de 2016 do Circuito Ilhabela de vela oceânica. A C30 correu dez regatas nos dois últimos finais de semana com as tripulações se alternando na raia do Canal de São Sebastião a cada disputa.

O equilíbrio reforçou a emoção na classe, com vitórias de quatro barcos diferentes. O Caballo Loco, comandado por Mauro Dottori, obteve três vitórias e somou 15 pontos perdidos, contra 16 pontos do vice, Caiçara, 17 pontos do terceiro colocado, Barracuda. Neste fim de semana decisivo (19 e 20/3) predominou o vento leste, entre 8 e 13 nós (15 a 25 km/h).

O comandante do Caiçara, Marcos de Oliveira Cesar, atual campeão do circuito, relatou que as mudanças nas rajadas de vento tornaram as regatas ainda mais competitivas. “As trocas de posições eram constantes devido às rondadas do vento. A etapa só foi decidida em cima da linha da chegada da última prova. Enquanto Caballo Loco e Caiçara duelavam pela liderança do campeonato, o +Realizado (José Luiz Apud) se aproveitou da situação e venceu”.

O Circuito Ilhabela (Copa Suzuki) prossegue no nos dois primeiros finais de semana de junho, no chamado Warm Up para a Semana de Vela de Ilhabela, em julho. Nas demais classes inscritas pelo Yacht Club de Ilhabela, os vencedores foram as seguintes embarcações: Ginga (HPE 25), Fram (RGS) e Cambada (Bico de Proa).

Fotos: Marcos Méndez (SailStation)

IMG_1385

IMG_1488


Barracuda defende liderança na vela oceânica em Ilhabela
Comentários Comente

Antonio Alonso

Duelo na C30 em Ilhabela (Edu Grigaitis/Balaio)

Duelo na C30 em Ilhabela (Edu Grigaitis/Balaio)

Com os três primeiros colocados separados por apenas dois pontos, as regatas decisivas da primeira etapa do Circuito Ilhabela de vela oceânica prometem adrenalina entre as tripulações da classe C30 deste fim de semana (19 e 20). O barco local, Barracuda lidera com seis pontos perdidos, seguido por Caballo Loco, de Ubatuba, e Caiçara, também de Ilhabela, ambos com oito pontos.

No primeiro fim de semana (12 e 13), foram cinco regatas equilibradas na C30, com a flotilha disputando os espaços na raia casco a casco. O Barracuda venceu três das cinco provas. “Fomos felizes nas largadas, com manobras precisas. Em uma classe tão equilibrada, largar bem é fundamental”, considera o tripulante do Barracuda, Alberto Foresti.

Entre os três primeiros na classificação geral, Caballo Loco obteve duas vitórias, enquanto o atual campeão do Circuito Ilhabela, Caiçara, não venceu, mas manteve regularidade com quatro segundos lugares. A ideia da tripulação líder é de manter o pé no acelerador nas regatas finais da etapa. “Vamos tentar repetir a estratégia de largadas consistentes, impondo desde o início nossa posição na raia”, espera Alberto Foresti, tripulante do Barracuda.

A previsão para o final da primeira etapa da Copa Suzuki é de ventos moderados de leste a nordeste, entre seis a oito nós no sábado (19) e de oito a dez nós (15 a 18 km/h)no domingo (20). São esperados cerca de 30 barcos. Além da classe C30, estão inscritas embarcações da HPE 25, RGS e Bico de Proa.


Classe C30 abre temporada de oceano em Ilhabela
Comentários Comente

Antonio Alonso

Copa Swift - 2014 - Largada - new (1)

Largada em Ilhabela (Marcos Méndez/SailStation)

A classe C30, uma das mais competitivas do País entre os barcos de oceano, estará com sua flotilha paulista neste fim de semana (12 e 13) na Capital Nacional da Vela para a abertura do XVI Circuito Ilhabela de vela oceânica (Copa Suzuki), tradicional competição disputada em quatro etapas ao longo da temporada. A primeira etapa será concluída nos dias 19 e 20/3 com sede no Yacht Club de Ilhabela (YCI).

Em uma classe em que o equilíbrio é o principal motivo da emoção, o barco a ser marcado pelos adversários em Ilhabela é o atual campeão, Caiçara, comandado por Marcos de Oliveira Cesar. “Esperamos neste ano disputas ainda mais acirradas porque o nível técnico das tripulações vem crescendo a cada campeonato.Na C30, uma distração, um simples piscar de olhos, é o suficiente para que as posições nas regatas se alterem”, analisa o comandante campeão.

Em 2015, o Caiçara dominou as quatro etapas da temporada e venceu a competição com 15 de pontos de vantagem sobre o vice, Caballo Loco, do comandante Mauro Dottori. O +Realizado, de José Luiz Apud terminou em terceiro lugar. Barracuda e Kaikias completam a flotilha. O atual campeão brasileiro, Loyal, de Marcelo Massa, prepara o retorno à raia para a Semana de Vela de Ilhabela, em julho, com regatas válidas também pelo Brasileiro de C30 e participação das embarcações do Sul do País.

Copa Swift 2014 - Farol

Barco da classe C30 na Ponta das Canas (Marcos Méndez/SailStation)

“O barco foi projetado para ser de fácil manuseio, rápido e competir como um monotipo. A classe possui regra muito restrita o que estabelece barcos idênticos, valorizando o trabalho das tripulações”, considera Marcos Cesar, que terá praticamente a mesma equipe para a defesa do título a partir deste sábado (12), incluindo-se o talento de Martin Lowy, campeão brasileiro de Laser Radial em 2016. “Neste ano temos como novidade a tripulação do barco Kaikias, comandada pelo experiente Felipe Echenique”


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>